Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

21
Abr20

E houve aviso até de um general…

Talis Andrade

Jair Bolsonaro é um mau militar que pedia um novo golpe, sentenciou Ernesto Geisel, um dos presidentes da ditadura

Como previsto, do suposto presidente da República pode-se esperar de tudo. Mas, desta vez, ao recorrer aos militares, apelando para um (novo) golpe civil-militar, como ocorreu em 1964, a vaca foi definitivamente pro brejo – e com todo o respeito aos bovinos. Isso porque o dito cujo, suposto supremo mandatário do Brasil, tem pouca coisa na cabeça. E parece não lembrar que já foi escorraçado, isso mesmo, do Exército, fazendo por merecer plena e totalmente o adjetivo (mandado embora com desonra; expulso).

E, já que lhe falta (até) um mínimo de memória, vale lembrar uma entrevista feita em 1993 e que virou livro de Maria Celina D’araujo e Celso Castro, publicado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

O entrevistado? Não era um capitão, mas um general, o general Ernesto Geisel, quarto presidente da ditadura civil/militar de 64. Nela, o ex-general de plantão da dita redentora não deixa por menos:

– Jair Bolsonaro é um mau militar que pedia um novo golpe.

Ainda da entrevista: Geisel afirmou que os “militares devem ficar fora da política partidária, mas não da política geral”. Segundo ele, todo político que começa a se “exacerbar em suas ambições logo imagina uma revolução a cargo das Forças Armadas”.

E, sobre golpe, Constituição e democracia, vale lembrar outro general, ele mesmo, Henrique Duffles Teixeira Lott. Grande figura, como militar e cidadão. Era sucinto quando políticos golpistas tentavam cooptá-lo para uma conspiração, visando um golpe civil/militar. O general encarava o(s) golpista(s) e fazia uma pergunta fulminante:

– Está no livrinho? Não? Então, caia(m) fora!

O livrinho era a Constituição de 1946.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub