Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

O CORRESPONDENTE

16
Jul20

‘Didi Mocó’ na Saúde: coronel manda médicos receitarem cloroquina

Talis Andrade

ema cloroquina.jpg

 

coronel cloroquina .png

 

Os mais velhos hão de se lembrar do bordão que Renato Aragão, na pele do “Didi Mocó” usava quando alguém era muito pretensioso: “Audácia da pilombeta!”.

Pois o desempenho da tropa do general Eduardo Pazuello no Ministério da Saúde não se cansa de merecer a comparação do os Trapalhões.

O coronel Luiz Otávio Franco Duarte, Secretário de Atenção especializada à Saúde do MS enviou ofício à Presidente da Fiocruz e ao diretor do Instituto de Infectologia Evandro Chagas, duas das mais renomadas instituições de Saúde do país onde “considerando as orientações do Ministério da Saúde para o tratamento medicamentoso da COVID-19 em grau leve, moderado e grave (…) venho por meio deste enfatizar a importância do tratamento precoce, ao início dos sintomas de pacientes com diagnóstico clínico dessa doença” com cloroquina e hidroxicloroquina”.

No texto, Duarte – o mesmo que mandou os secretários comprarem insumos, ainda que superfaturados, e mandarem uma carta para o Ministério Público, “porque assim ninguém vai ser preso” – manda que os prescritores – os médicos – tenham sempre a mão o “termo de consentimento” para dar aos desesperados, digo, aos paciente, para que assinem e se possa enfiar neles a droga que nenhum cientista no mundo toma mais como séria.

Chega ao detalhe sórdido de pretender orientar em que dias o desesperado deve passar por eletrocardiogramas, já que as drogas são cheias e efeitos cardíacos colaterais: o primeiro, o terceiro e o quinto dias de “medicação”.

O coronel tem sorte de que os destinatários são pessoas educadas, que não vão lhe responder com linguagem de reunião ministerial. Mas bem que poderiam dizer a ele que se limitasse a dar ordens aos recrutas, para caiarem calçadas, a porem o peito para fora e a barriga para dentro e não fazer prescrições a gente que tem décadas de estudo e atividade sérias em infectologia.

Coronel, deixa quieto, não é preciso levar-se a ridículo maior do que o de “tomar de assalto” o Ministério para ajudar Bolsonaro a deixar de ser o “Capitão Corona” para ser o “Marechal Cloroquina”. Menos audácia, pilombeta!

 
 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub