Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

08
Mar18

Dia Internacional da Mulher. Os votos de Bolsonaro: Trabalhando por menos

Talis Andrade

Brasil caminha a passos de tartaruga para acabar com a disparidade salarial entre homens e mulheres

 

mulher indignados.jpg

 

 

No dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher, as mulheres brasileiras recebem salários 23 por cento menores do que os homens, apesar de possuírem maior nível educacional. Em outras palavras, uma mulher teria que trabalhar durante todo o ano passado e mais quase quatro meses deste ano para alcançar o rendimento que homens tiveram em 2017.


No mercado formal, monitorado pelo Ministério do Trabalho, a diferença salarial entre homens e mulheres caiu de 17% em 2007 para 15% em 2016. Neste ritmo, as mulheres brasileiras com emprego formal receberão os mesmos salários que seus colegas homens somente em 2083 – ou seja, meninas que nascem no dia de hoje terão equidade salarial apenas quando completarem 65 anos. Leia mais no El País, Espanha 

 

O deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) deu uma entrevista recente ao jornal gaúcho Zero Hora, dizendo que pensa diferente. Para ele, eleito com o maior número de votos nas últimas eleições, não é justo a mulher ganhar igual ao homem, já que ela engravida. "Eu sou liberal. Defendo a propriedade privada. Se você tem um comércio que emprega 30 pessoas, eu não posso obrigá-lo a empregar 15 mulheres. A mulher luta muito por direitos iguais, legal, tudo bem. Mas eu tenho pena do empresário no Brasil, porque é uma desgraça você ser patrão no nosso país, com tantos direitos trabalhistas. Entre um homem e uma mulher jovem, o que o empresário pensa? "Poxa, essa mulher tá com aliança no dedo, daqui a pouco engravida, seis meses de licença-maternidade..." Bonito pra c..., pra c...! Quem que vai pagar a conta? O empregador. No final, ele abate no INSS, mas quebrou o ritmo de trabalho. Quando ela voltar, vai ter mais um mês de férias, ou seja, ela trabalhou cinco meses em um ano", disse Bolsonaro. Veja vídeo 

 

Em resposta ao jornalista, que perguntou qual seria a solução, o deputado continuou: "Por isso que o cara paga menos para a mulher! É muito fácil eu, que sou empregado, falar que é injusto, que tem que pagar salário igual. Só que o cara que está produzindo, com todos os encargos trabalhistas, perde produtividade. O produto dele vai ser posto mais caro na rua, ele vai ser quebrado pelo cara da esquina. Eu sou um liberal, se eu quero empregar você na minha empresa ganhando R$ 2 mil por mês e a Dona Maria ganhando R$ 1,5 mil, se a Dona Maria não quiser ganhar isso, que procure outro emprego! O patrão sou eu".

 

1 a a a a marcha das vadias bh charge carlos latuf

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D