Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

21
Jul20

Dallagnol mandou invadir o Congresso porque acredita que o Senado tem bunker para ocultar crimes

Talis Andrade

 

A autodenominada Operação Lava Jato acabou. Chamada de organização criminosa, de gangue, de máfia, não tem mais abusos de autoridade para invadir a Câmara dos Deputados, o Senado Federal e, com apoio de serviços de investigação dos Estados Unidos, espionar a Presidência da República, ousar escuta ilegal, como fez com Dilma Roussef e, "com todo respeito ao STF e seu presidente" ameaçar ministros da Suprema Corte.

Fez certo o presidente do Senado Davi Alcolumbre (DEM-AP), que impediu o cumprimento de um mandado de busca e apreensão no gabinete do senador José Serra, que deixou de ser bandido de estimação da Lava Jato.

Em reclamação ao STF, o Senado afirmou que mandados de busca e apreensão em gabinetes devem partir do próprio tribunal. E não da justiça paralela dos "garotos dourados" da república de Curitiba, facção "terrivelmente evangélica" e nazi-fascista que prendeu Lula, para golpear Dilma, empossar Michel Temer, eleger Jair Bolsonaro, para Sérgio Moro ser nomeado duplamente ministro da Justiça e da Segurança Pública, e comandar o Fisco (Coaf), os sindicatos dos trabalhadores, as polícias federal, rodoviária, ferroviária, força nacional de segurança pública, sistema único de segurança pública, com seus serviços de grampo e carceragem.

Não deu outra, que o STF não é a PGR. O presidente Dias Toffoli suspendeu o cumprimento de mandado de busca e apreensão no gabinete de José Serra (PSDB-SP), nesta terça-feira (21), no âmbito de uma investigação que apura a doação não contabilizada de R$ 5 milhões à campanha do senador em 2014. 

Uma investigação seis anos atrasada, que a Lava Jato tem que mostrar serviço, para PGR revalidar seu sexto ano de mando absolutista, de funcionamento à margem da pf, do mpf (funciona em prédio separado alugado), da vara criminal federal de Curitiba. A lava jato é mais do que polícia, do que promotoria, do que juizado. É tudo isso mais o céu de dinheiro ao deus-dará. Dinheiro sem prestação de contas e auditoria. 

Dallagnol subiu nas tamancas. Reclamou da decisão de Toffoli:

Deltan Dallagnol
@deltanmd
Replying to
1. O STF limitou o foro privilegiado para crimes praticados no exercício e em razão da função em 03/05/18. É pacífico que José Serra não tem foro privilegiado para os crimes específicos que a Justiça Eleitoral investiga na operação de hoje. O STF não tem competência sobre o caso.
Deltan Dallagnol
@deltanmd
2. O ambiente parlamentar, assim como qualquer outro ambiente, não pode funcionar como um bunker que permita a ocultação de crimes. Não há qualquer regra constitucional ou legal que ampare a ideia de um foro privilegiado de imóvel.
 
O prédio separado da Lava Jato em Curitiba é um bunker. Dallagnol nega aceitar a chefia de Augusto Aras, procurador geral da República. Não confia. Nega compartilhar provas produzidas com a PGR. Possível "ocultação de crimes" cometidos em parceria com agentes de espionagem dos Estados Unidos, para prisão de Lula, destruição das grandes empresas brasileiras, crimes de lesa-pátria. 
 
Escreve Tiago Angelo sobre o projeto de Aras de agrupar as forças-tarefa da "lava jato" em Curitiba, Rio de Janeiro e São Paulo sob um mesmo guarda-chuva. A proposta é criar uma "Unidade Nacional de Combate à Corrupção" (Unac), que contaria também com integrantes da "greenfield", referente a desvios em fundos de pensão em Brasília. 
 
Prova que Dallagnol não rasga nem joga dinheiro no mato. Não quer largar a mamata de bilhões a perder de vista em conta gráfica. 
 

Publica Tiago Angelo, in Consultor Jurídico, "segundo as conversas divulgadas, enquanto Vladimir Aras demonstra apego à legalidade e aos procedimentos oficiais, Dallagnol se posiciona de maneira voluntariosa, passando ao largo de procedimentos oficiais. Indício de que a oposição à Unac pode ser uma forma de não trazer à tona alguns dos métodos da 'lava jato' em Curitiba". Métodos podres. 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub