Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

11
Ago20

Compartilhamento “por fora”. A hipocrisia da Lava Jato à tona

Talis Andrade

 

por Fernando Brito

- - -

Nova reportagem da série “Vaza Jato” publicada pelo The Intercept  mostra que, além de atropelar a lei obtendo “por fora” inquéritos sigilosos tocados por outros procuradores, em Brasília, revela a hipocrisia de Deltan Dallagnoll e sua turma ao se recusarem a permitir o acesso do Procurador Geral da República sobre os milhões de documentos armazenados em Curitiba.

Aliás, o faziam e ainda tinha a manifesta preocupação de que a violação não fosse percebida por outros procuradores: “não vamos deixar transparecer que tivemos acesso, porque já teve briga na PRDF [Procuradoria Federal do Distrito Federal] por conta de acesso à esses autos”, diz Paulo Roberto Galvão, um dos procuradores da Lava Jato.

Tudo, claro, para sabe de mais elementos que pudessem servir para acusar “o nono elemento”, ou o “Nove”, como chamavam, por causa da amputação de um dedo, o ex-presidente Lula. Pior, para fazer, a partir de investigações já instauradas em outros Estados, forjar o surgimento de “novas provas” e atraírem para a Lava Jato de Curitiba o que seria de competência de outros procuradores;

O procurador Roberto Pozzobom sugere “pedir para os colegas mandarem informalmente uma cópia integral digitalizada” para que pudessem “minimizarmos ao máximo o risco de perder o caso por competência [judicial]”.

Não são violações fortuitas, mas sistemáticas, deliberadas e conscientemente ocultadas, para manipular a distribuição natural dos processos e assegurar que “o novo elemento” ficasse sempre entregue a eles e ao juiz Sérgio Moro.

É inacreditável que um ministro do Supremo, Luiz Edson Fachin, esteja sendo cúmplice da ocultação dos arquivos que podem comprovar esta e outras irregularidades, processuais e disciplinares, dos “intocáveis de Curitiba”.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub