Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

13
Nov20

Com frase sobre “país de maricas”, Bolsonaro mistura homofobia e indecência, diz imprensa internacional

Talis Andrade

 

Bolsonaro RP.jpg

 

Texto RFI
 

As declarações recentes feitas pelo presidente brasileiro Jair Bolsonaro sobre a pandemia de Covid-19 suscitaram reações na imprensa internacional. Jornais, revistas e emissoras de rádio e televisão de vários países repercutiram a maneira como o chefe de Estado minimizou as consequências da crise sanitária durante um evento oficial usando uma frase homofóbica.

A expressão “Tem que deixar de ser um país de maricas” está dando a volta ao mundo. O canal de televisão francês LCI resumiu o episódio dizendo que “presidente brasileiro recorreu à homofobia para incitar a população a abandonar as medidas de precaução em vigor no resto do planeta”, enquanto a revista francesa L’Obs publica em seu site que o chefe de Estado “minimizou mais uma vez a pandemia de Covid-19, que matou mais de 162 mil pessoas no país”. Já o jornal italiano Giornali di Sicilia martela que essas “palavras fortes” de Bolsonaro “podem gerar polêmica em nível internacional”.

No Reino Unido, o jornal The Guardian ressalta que a declaração de Bolsonaro sobre o país de ‘sissies' foi feita “em um evento onde poucos participantes usavam máscara”. Ainda nas terras da rainha, até o tabloide britânico Daily Mail, que nem sempre tem papas na língua, se policiou ao relatar a derrapagem do líder brasileiro. Com o título “a country of f*gs”, o jornal explica que Bolsonaro “usou o termo ofensivo para gays em um discurso no palácio presidencial”.

A versão mexicana da revista Forbes explica que as declarações de Bolsonaro foram feitas durante um evento sobre o setor de turismo, “um dos mais atingidos pela pandemia Covid-19 no país”. A publicação ressalta que o presidente enfatizou o impacto econômico do vírus e informa que o chefe de Estado reclamou daqueles que “estão começando a intimidar o povo com um eventual segunda onda”.

"Gripecita"

O jornal colombiano El Tiempo dá em titulo que “Bolsonaro fez comentários homofóbicos e novamente subestimou a pandemia”. O diário ressalta que o presidente “já havia chamado a atenção ao comemorar, como uma vitória pessoal, a interrupção no Brasil da fase de estudos da vacina CoronaVac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac” e lembra que o presidente chamou a Covid-19 de "gripecita" e que, desde então, “tem mostrado sua posição contra medidas de confinamento e contra o fechamento de estabelecimentos e locais públicos”.

O britânico Daily Mail também lembrou a declaração sobre gripezinha e disse que várias vezes Bolsonaro “condenou e histeria em torno da Covid-19”.

Mas o que realmente chamou a atenção da imprensa internacional foi a dimensão homofóbica do discurso.  O jornal francês Le Parisien diz que essa não é primeira gafe do líder brasileiro, “homofóbico assumido”.

O tabloide lembra as declarações feitas por Bolsonaro à revista Playboy em 2011, quando ele disse que seria incapaz de aceitar um filho gay e que “preferia vê-lo morto”. “Bolsonaro também multiplicou as frase machistas”, martela Le Parisien, que ressuscita as declarações feitas pelo presidente sobre o nascimento de sua filha – “um momento de fraqueza”, segundo o presidente.

“Sábio Bolsonaro”

A rádio France Culture diz que a pandemia “revela os piores aspectos de Jair Bolsonaro”. Em seu site, a emissora fala da reação efusiva do presidente diante da interrupção dos testes de vacinas no Brasil, “enquanto o resto do mundo se entusiasma com os bons resultados da vacina da Pfizer”.

Como os demais veículos de comunicação internacionais, a rádio, uma das mais apreciadas da elite intelectual francesa, diz que o presidente brasileiro lamentou as mortes relacionadas ao coronavírus, mas declarou que "todos nós vamos morrer um dia": um bom argumento do “sábio Bolsonaro”, ironiza o jornalista, ao vivo. Reproduzindo trechos de matérias publicados no Brasil, France Culture diz ainda que, com esse episódio, Bolsonaro mistura homofobia e indecência.

pandemia _corona_trans_morador_de_rua_corona_150.j

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub