Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

27
Mar20

Choque e desmonte na pesquisa e pós-graduação: uma política a serviço do extermínio

Talis Andrade

defeating_the_ coronavirus __alex_falc_chang.jpg

 

por Marcelo Badaró Mattos
 

Naomi Klein dissecou a “doutrina do choque” e explicou como essa filosofia “sustenta que a melhor maneira, a melhor oportunidade para impor as ideias radicais do livre-mercado é no período subsequente ao de um grande choque. Esse choque poder ser uma catástrofe econômica. Pode ser um desastre natural. Pode ser um ataque terrorista. Pode ser uma guerra. Mas a ideia é que essas crises, esses desastres, esses choques abrandam a sociedades inteiras. Deslocam-nas. Desorientam as pessoas. E abre-se uma ‘janela’ e a partir dessa janela se pode introduzir o que os economistas chamam de ‘terapia do choque econômico’.” (1)

O governo Bolsonaro está agindo exatamente assim agora, em várias áreas ao mesmo tempo, aproveitando-se da “janela” aberta pela desorientação e medo da população, que busca o isolamento (e em muitos casos tem que lutar para conquista-lo, ainda que saiba que depois terá que lutar para sobreviver, ante à ameaça da doença e a do desemprego/fome).

Numa dessas áreas, percebe-se a intencionalidade cruel de garantir que ao fim da pandemia, nos defrontemos com uma terra arrasada. Na CAPES e no CNPq, longe de qualquer isolamento, estamos vivendo nos últimos dias um esforço radical de produção de diretrizes que, em rápida análise, dão passos muito largos para o desmonte do sistema de bolsas das pós-graduações e para o completo encolhimento e redirecionamento da pesquisa científica e tecnológica no país.  

A Capes, contrariando todos os acertos de negociações com os pró-reitores de pesquisa e pós-graduação das universidades e contra a orientação dos comitês assessores de todas as áreas, inventou “novos critérios” que, na prática, vão cortar milhares de bolsas de todo o sistema, atingindo mais duramente os programas em consolidação, mas cortando na carne também dos programas “de excelência”, que se julgavam protegidos em suas redomas de produtivismo acadêmico. O criacionista que hoje dirige a agência subordinada a um ministro da educação assumidamente inimigo das universidades públicas, acredita, conforme declarou recentemente em reunião com as sociedades científicas, que “o País já forma mais mestres que o previsto no Plano Nacional de Pós-Graduação e que estamos muito próximos da meta de doutores” (2). Ou seja, trabalha contra qualquer expansão do sistema de pós-graduação e, coerentemente com sua avaliação, implementa o desmonte.

Já o CNPq baixou uma portaria em que define unilateralmente as “prioridades” da pesquisa científica e tecnológica no país. (3) E o que é prioritário para essa gente são programas de mestrados em “inovação” e doutorados “industriais”. Na lista da portaria, várias áreas de interesse militar aparecem com destaque e nenhuma área ou linha de pesquisa das ciências humanas é contemplada. Sem dúvida, a cibernética e a internet das coisas são muito mais importantes que as pessoas de carne e osso para a agência do Ministério dirigido pelo astronauta. Intriga saber como ele consegue dormir tranquilo quando deita a cabeça em seu travesseiro da Nasa, compondo um governo de negacionistas da ciência e aplicando seu programa de extermínio do saber. A proposta da agência caminha para retirar, no futuro próximo, a distribuição de cotas de bolsas de mestrado e doutorado do CNPq hoje encaminhadas para atribuição pelos programas de pós-graduação e distribuí-las (em número menor, por certo) através de cotas aos pesquisadores/orientadores – das áreas “prioritárias”, com certeza –, que além de todo o trabalho acadêmico que já acumulam, passarão também a ser gerentes de bolsas. O que alguns dos “contemplados” podem comemorar, na lógica de valorização dos pequenos – e podres – poderes, significará, na prática, mais um ataque aos programas e à sua capacidade de integração e definição coletiva de linhas de pesquisa.

Estrangular os programas de pós-graduação, numa época em que de suas linhas de pesquisa e através da mobilização de seus estudantes/pesquisadores (alguns ficando agora sem as bolsas essenciais a sua sobrevivência) estão surgindo as mais promissoras pesquisas para combater a pandemia entre nós é só mais um indicador do que está em jogo. Para os adeptos da doutrina do choque, a vida não vale nada, a única coisa que conta são os lucros.

São os estudantes que resistem, com ou sem bolsa, os profissionais da educação, saúde, ciência e tecnologia – e todos os setores minimamente esclarecidos da sociedade, que sabem da importância do conhecimento científico e da educação de qualidade – que terão que lhes dar a lição: se ainda não acabou, tem que acabar, a vida vale mais que o lucro e a ciência é vida!

NOTAS

1 – A frase de Naomi Klein está na entrevista publicada aqui
2 – A frase do presidente da Capes pode ser encontrada nesta matéria, na página da SBPC
3 – Os protestos da comunidade científica contra os cortes de bolsas e os novos “critérios” da Capes já chegaram aos órgãos das corporações de mídia, como se vê nesta matéria

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub