Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

07
Jan21

Brasil tem o 2° maior número de jornalistas mortos de Covid e ONG suíça pede que vacina seja prioritária para imprensa

Talis Andrade

bolsonaro-quebrado-maravilha-1080-1080.jpg

 

Texto por RFI

Mais de 600 jornalistas morreram de Covid-19 em todo mundo, sendo mais da metade deles na América Latina, com destaque para Peru e Brasil, que lideram a lista. O alerta foi dado esta semana pela organização suíça Press Emblem Campaign (PEC). A entidade pede a vacinação prioritária dos profissionais da imprensa.

De acordo com as estatísticas da organização com sede em Genebra, 602 jornalistas morreram de Covid-19 desde março de 2020. A América Latina reúne mais da metade das vítimas (303 mortes). Na sequência estão Ásia, com 145 mortes, à frente de Europa (94), América do Norte (32) e África (28).

O Peru é o país com o maior número de mortes (93), segundo sua Associação Nacional de Jornalistas. O Brasil ocupa o segundo lugar, com 55 vítimas, à frente de Índia (53), México (45), Equador (42) e Bangladesh (41). Nos Estados Unidos, país com maior número de vítimas, houve 31 óbitos por Covid-19 nos meios de comunicação, ainda de acordo com a ONG.

A Itália é o país europeu mais afetado, com 37 jornalistas mortos. Na França, cinco mortes por Covid-19 foram relatadas na categoria profissional, segundo o comunicado.

O número real de vítimas no mundo é certamente maior, segundo a PEC, porque, às vezes, não se especifica a causa da morte, ou o óbito não é anunciado. E, em alguns países, não há informação confiável a esse respeito.

 

Jornalistas na linha de frente

O ONG também afirma que não é possível diferenciar os jornalistas contaminados pelo coronavírus no exercício de seu trabalho e aqueles que se infectaram em suas vidas privadas. Porém, a PEC explica que "devido à sua profissão, os jornalistas que saem para informar estão particularmente expostos ao vírus. Alguns deles, especialmente 'freelancers' e fotógrafos, não podem trabalhar apenas de casa", disse o secretário-geral da entidade, Blaise Lempen, em um comunicado.

Por esse motivo, a organização pede que os jornalistas sejam tratados como trabalhadores da linha de frente e tenham prioridade na vacinação, se assim solicitarem.

A contagem da PEC se baseia em informações dos veículos de comunicação locais, de associações (ou federações) nacionais de jornalistas e dos correspondentes regionais da organização. A ONG faz um levantamento do número de jornalistas mortos no mundo a cada ano e, desde o início da pandemia, também registra aqueles mortos por Covid-19.

A pandemia deixou pelo menos 1.869.674 mortos no mundo desde que o escritório da Organização Mundial da Saúde (OMS) na China informou o aparecimento da doença, em dezembro de 2019, conforme balanço da AFP elaborado nesta quarta-feira (6), com base em fontes oficiais. Desde início do surto, mais de 86.395.630 pessoas contraíram a Covid-19. Deste total, pelo menos 53.992.400 se recuperaram, segundo as autoridades.

Estes números se baseiam nos relatórios comunicados diariamente pelas autoridades sanitárias de cada país e excluem as correções feitas "a posteriori" pelos diferentes organismos, como na Rússia, na Espanha, ou no Reino Unido.

Desde o começo da atual crise sanitária, o número de testes realizados aumentou consideravelmente, e as técnicas de rastreamento de contato melhoraram, o que levou a uma alta nas infecções declaradas. Ainda assim, o número de casos diagnosticados reflete apenas uma parte da totalidade de contágios. Os casos menos graves, ou assintomáticos, continuam sem serem detectados.

(Com informações da AFP)

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub