Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

09
Abr20

Bolsonaro usa vidas como fichas em seu pôquer mortal

Talis Andrade

 

por Fernando Brito

Traz O Globo, hoje, o retrato, na Favela da Rocinha, do que chamei do TV Afiada de “Quarentena da Porcina”: a que deixou de ser sem nunca ter sido.

“60% a 70% das lojas abriram [e] o mercado popular está funcionando”, diz um líder comunitário que fala em “uma avalanche de pessoas” nas ladeiras estreitas da comunidade.

É mais, muito mais do que se registrou nos primeiros dias de isolamento parcial e infinitamente além do que seria prudente na hora em que a epidemia se prepara para exibir sua escalada de números.

Com o presidente da República defendendo a volta ao trabalho, contra as orientações médicas e a estas fazendo se dobrar com a “cura-jabuticaba” da cloriquina, as ruas da pobreza vão se encher mais e mais.

Contra tudo o que se faz no mundo, inclusive, agora, no Japão – que o bolsonarismo apontava como exemplo de “segue a vida normal” e, agora, decretou emergência, depois de registrar um aumento de 500 casos em um único dia.

“Grande ideia”, importada diretamente de seu guru, Donald Trump, que, entretanto, não a aplicou em seu próprio país.

Taís Oyama, hoje, no UOL, transcreve a monstruosa tática política, com o respaldo inacreditável de nossos generais, ao citar um deles, palaciano, cruamente dizendo que “se ficar claro que ele [Bolsonaro] tinha razão quanto aos prejuízos do isolamento social e os benefícios da cloroquina, nós invadimos o Nordeste”.

Como se vê, uma jogada política onde as fichas sobre a mesa serão vidas humanas, atiradas numa cartada na qual médicos e cientistas do mundo inteiro não veem nem um par de oitos, sem nenhuma certeza que virão três ases, para tornar possível apostar contra a morte.

Infelizmente, os dias que nos esperam, em breve, abrirão a boca do baralho macabro com que estes monstros jogam.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub