Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

O CORRESPONDENTE

28
Mai21

Bolsonaro usa Pazuello para dividir o Exército

Talis Andrade

pazuello máscara aroeira.jpg

 

 

por Alex Solnik

- - -

A carta escrita pelo general Pazuello ao comandante do Exército, general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira para justificar sua participação no ato de apoio a Bolsonaro, domingo passado, 23, no Rio de Janeiro mostra claramente que não se trata tão somente de uma questão militar. Tenho a impressão que Bolsonaro fez o que fez com Pazuello para desafiar o chefe do Exército.

Puna-o se for capaz, é o que parece dizer Bolsonaro. Ele é meu protegido. Vamos ver quem manda mais: eu ou você.

E é Bolsonaro quem está orientando Pazuello a resistir, a não passar para a reserva, a desafiar o comandante.

Bolsonaro continua levando ao pé da letra o trecho da constituição que dá ao presidente o posto simbólico de comandante-em-chefe das Forças Armadas.

Usou novamente a expressão “meu exército” nesse comício. Tal prerrogativa nunca sequer cogitada por presidentes civis em períodos democráticos.

A carta de Pazuello é tão patética quanto ele. Afirma, orientado por Bolsonaro, que não transgrediu a norma 57, que proíbe atos políticos a militares da ativa por motivo de “honra pessoal”.

No jargão militar “honra pessoal” se traduz por “apreço de que é objeto ou se torna merecedor o militar perante seus superiores, pares ou subordinados”.

Tradução: ele não poderia ter recusado subir ao palanque por “honra pessoal”, ou seja, não podia recusar o convite do superior que ainda por cima tem apreço por ele.

O que dá a entender que ele resiste a passar para a reserva e não admite ter infringido a norma 57 não por valentia, mas por estar sob proteção daquele que a quem considera seu superior, apesar de ele ser um ex-ministro de Bolsonaro e seu superior ser, no mundo real, o comandante do Exército, até onde se sabe. Evidente que o general Paulo Sérgio deve ter ficado indignado.

Bolsonaro conseguiu o que queria: instalou a cizânia dentro das Forças Armadas. Há o grupo a favor de punição a Pazuello e há o grupo contra.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub