Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

09
Ago20

Bolsonaro sabe o que esconde e se preparou para montar sistema protetor

Talis Andrade

investigar espionar.jpg

 

 

por Janio de Freitas

- - -

O lento caminhar dos inquéritos sobre as relações sigilosas dos Bolsonaro e Fabrício Queiroz tem um mérito preliminar: baseia-se em investigações, trabalho de promotores e polícia do Rio, e não em chantagistas delações bem premiadas, tipo Lava Jato curitibana.

Outro mérito do gênero, não assola o sensacionalismo que tira imprensa e TV do jornalismo para os interesses políticos e econômicos. Mas estende com perigo, sob o cerco de atingidos descontrolados, uma situação com implicações importantes na ordem institucional. Por mais grave que seja, o já revelado está longe do que pode alcançar.

Bolsonaro sabe o que esconde e se preparou desde a campanha para montar um sistema protetor. O caso ainda em curso do dossiê sobre antifascistas, montado no Ministério da Justiça, é um exemplo que independe do documento, aliás, existente mesmo. Foi feito na Seopi, Secretaria de Operações Integradas, como revelado no UOL pelo repórter Rubens Valente.

Um serviço criado no ministério para intermediar ações conjuntas de polícias federal e estaduais. Nada a ver com espionagem política, judicial ou qualquer outra.

Até 1º de janeiro de 2019. No dia mesmo da posse, Bolsonaro decreta, encoberta pelos acontecimentos públicos, a transformação da Seopi em serviço de informação interna. Medida, claro, articulada com Sérgio Moro, que assumia o ministério e viria a conduzir a alteração. Dela foi incumbido o coronel Gilson Mendes Libório, demitido pelo atual ministro André Mendonça quando revelado o dossiê.

A Seopi de espionagem teve uma citação pública, pelo próprio Bolsonaro, embora continuasse desconhecida. Durante a reunião de botequineiros no Planalto em 22 de abril, e antes que Abraham Weintraub satisfizesse Bolsonaro com o ataque aos ministros do Supremo, o assunto relevante foram os serviços de informação.

Bolsonaro atacou todos, por omissão das informações que lhe interessavam, até berrar uma ressalva: “Menos o meu, particular”. Seguiu-se orgulhoso elogio.

Desde então, muitos se perguntaram que serviço particular seria aquele. A Seopi. Recriada para as necessidades de Bolsonaro & família. Com serviços como o dossiê sobre 579 policiais e três professores antifascistas, quer dizer, democratas perigosos. Datado de junho, pode ser o mais recente, mas não é imaginável que seja o único em 18 meses de “serviço particular” de informação espiã para Bolsonaro.

Com a revelação que prejudica a continuidade da espionagem bolsanara pela Seopi, reaparece, às pressas, a criação de um Ministério da Segurança Pública. Um ministério para a segurança dos Bolsonaro. O nome, com máscara de público, é irrelevante, seu cinismo não precisa de exame.

Por ora, mais interessante será verificar, por exemplo, se os 27 depósitos com R$ 87 mil, feitos por Fabrício Queiroz e Márcia Aguiar em conta de Michelle Bolsonaro, foram para a destinatária ou não.

O primeiro depósito descoberto, de R$ 24 mil, nunca motivou nela uma só palavra que fugisse ao seu modo discreto e elegante. Nem mesmo por uma notinha, salvo seja. E nisso há algum significado, até por ser ela muito mais habilitada a pensar e falar do que Bolsonaro, inventor da patetice de empréstimo de R$ 40 mil a Queiroz.

Aprofundado, o comprometimento do nome de Michelle sujeita-a a efeitos judiciais comuns. O que seria uma vergonha a mais, mas não um sismo institucional.

Este é previsível com o avanço, se houver, dos inquéritos no Rio sobre os Bolsonaro. Os inquéritos atuais, que dos possíveis e justific —cala-te boca.

No coração

Ex-secretário da Receita Federal, de comprovada competência, Everardo Maciel diz, a um só tempo, o mínimo e tudo sobre a “reforma” tributária projetada por Paulo Guedes: “Aumentam a carga tributária da escola e diminuem a do carro de luxo”.

Imitando-o: criam imposto sobre o livro e conservam a dispensa de R$ 300 bilhões de impostos, quase todos de graúdos.

Leia livros

A paciência com o confinamento se esvai. Ocasião propícia para a leitura de “O Retalho” (Ed. Todavia).

O relato de um sobrevivente do ataque de terroristas islâmicos ao sério-humorístico “Charlie Hebdo”, que comoveu o mundo, é uma segunda comoção causada pelo crime. Philippe Lançon , atingido por uma bala no rosto, volta ao mundo pela comunhão indissolúvel que cria entre sabedoria e paciência.

Duas carências nossas.

anjo.jpg

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub