Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

10
Dez18

Bolsonaro e a furna da onça

Talis Andrade

sapo bolso minios.jpg

Coaf x Flávio Bolsonaro. Por Gilmar Machado: "Ex-assessor e motorista de Flavio Bolsonaro movimentou R$ 1,2 milhão e fez transações em $$ vivo, relata o Coaf. Uma das transações citadas no relatório é um cheque de R$ 24 mil destinado à futura primeira-dama, Michelle Bolsonaro."

 

Que ministro vai abafar essa estória? Sergio Moro? Paulo Guedes? É uma missão de cargo de confiança lá no andar de cima, da máxima confiança, cousa de ministro super.  A honra de engolir sapos da família real. O primeiro - dizem - ninguém esquece.  

 

Um relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) apontou movimentação atípica de R$ 1,2 milhão em conta de um ex-assessor do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ). O documento foi anexado pelo MPF (Ministério Público Federal) à investigação que deu origem à Operação Furna da Onça, que levou à prisão dez deputados estaduais da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). Fabrício José Carlos de Queiroz foi exonerado do gabinete de Flávio Bolsonaro no dia 15 de outubro deste ano, informa o 247.

 

Queiroz é também policial militar e, além de motorista, trabalhava como segurança do deputado.

 

Um dia após a deflagração da Operação Furna da Onça, o juiz federal relator da operação no TRF-2, Abel Gomes, afirmou que havia indícios de que parte dos investigados tinha conhecimento prévio da ação deflagrada no dia anterior. O suposto vazamento foi relatado pela Polícia Federal, cujo teor encontra-se sob sigilo, e relatado em decisão em que Gomes negou a revogação das prisões temporárias solicitada pela defesa de alguns dos alvos da operação. Antes da decisão, um post no blog do Lauro Jardim relatara que havia parlamentar que, um dia antes da deflagração da Operação Furna da Onça, tinha conhecimento de uma operação da Polícia Federal que ocorreria no dia seguinte.

 

Operação Furna da Onça foi uma operação policial brasileira deflagrada pela Polícia Federal no dia 8 de novembro de 2018. 

 

Segundo a reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, "o Coaf informou que foi comunicado das movimentações de Queiroz pelo banco porque elas são 'incompatíveis com o patrimônio, a atividade econômica ou ocupação profissional e a capacidade financeira' do ex-assessor parlamentar. O relatório também cita que foram encontradas na conta transações envolvendo dinheiro em espécie, embora Queiroz exercesse uma atividade cuja 'característica é a utilização de outros instrumentos de transferência de recurso'."

 

A matéria acrescenta que "o nome de Queiroz consta da folha de pagamento da Alerj de setembro com salário de R$ 8.517. Ele era lotado com cargo em comissão de Assessor Parlamentar III, símbolo CCDAL- 3, no gabinete de Flávio Bolsonaro. Conforme o relatório do Coaf, ele ainda acumulava rendimentos mensais de R$ 12,6 mil da Polícia Militar."

AUTO_jb temer presidente.jpg

 

O nome de Queiroz não aparece entre os investigados na Operação Furna da Onça, e muito menos o deputado Flávio Bolsonaro. O governo Temer cuidou da proteção. A partir de 1 de janeiro, o caso fica com a Polícia Federal comandada por Sergio Moro. Que tudo indica que também comandará a Coaf.

Canalhas-no-Comando temer.jpg

 

A operação Furna da Onça mirou um esquema de compra de apoio político de parlamentares iniciado em 2007, no primeiro mandato do governador fluminense Sérgio Cabral, e mantido até 2018. Investigações feitas antes da deflagração da operação apontaram que alguns deputados estaduais do Rio de Janeiro recebiam propinas mensais, que variavam entre 20 mil e 100 mil reais, e cargos a fim de votarem de acordo com os interesses do grupo político comandado pelo ex-governador Sérgio Cabral, a exemplo da aprovação das contas do governo. A propina, resultado de sobrepreço de contratos estaduais e federais, era depositada em um fundo único e paga aos parlamentares em caso de necessidade de interferência em votações. O controle das transações bancárias envolvidas no esquema desvelado era feito através do "Sistema ST". Os deputados envolvidos também eram beneficiados, de forma ilícita, com o loteamento de cargos em diversos órgãos públicos do Governo do Estado do Rio de Janeiro, como o Detran-RJ, onde alocavam mão de obra comissionada ou terceirizada. O esquema pode envolver cerca de 60 parlamentares. No primeiro governo de Sérgio Cabral, o secretário da Fazenda e Planejamento  era Joaquim Levy, que deve presidir o BNDES, Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social, cuja caixa-preta Bolsonaro quer abrir. 

 

motorista_zedassilva.jpg

macaco  simão motorista.jpg

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub