Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

07
Jan21

As seringas e a frieza genocida de Bolsonaro

Talis Andrade

jail  bolsonaro.jpg

 

Editorial do site Vermelho

O presidente da República, Jair Bolsonaro, sempre se supera quando o assunto é a irresponsabilidade na condução do país. A mais recente postura nesse sentido foi o anúncio de que o governo suspendeu a aquisição de seringas para a vacinação contra Covid-19 “até que os preços voltem à normalidade”. Como é de seu feitio, o anúncio se deu sem maiores detalhes, além de alegar que estados e municípios têm estoques do material para o início da imunização.

A compra de seringas vem sendo postergada há algum tempo, o que leva à suposição de que esse anúncio é mais um pretexto para o prolongamento do seu descaso diante da tragédia que já ceifou quase 200 mil vidas de brasileiros. A frieza com que Bolsonaro trata a questão choca primeiro porque é um descaso com a vida. Seus pronunciamentos são gélidos do ponto de vista da empatia, da comoção que deveria estar presente quando se fala dessa cifra. Choca também porque essa frieza denota indiferença diante da perspectiva de que o elevado número de mortes tende a prosseguir por tempo indefinido.

Só uma pessoa desprovida de sentimento humano, incapaz de se empenhar para aliviar a dor e o temor de tantos concidadãos, pode ter esse comportamento. Bolsonaro age como outros genocidas da história que, em nome do ideal da extrema direita, promoveram grandes tragédias ao longo da história.

É evidente que a suspensão da compra das seringas não se deve à anormalidade dos preços. Mas se é verdade que existe algum percalço nesse sentido ele se deve exatamente ao traço fundamental do governo: irresponsabilidade. Alguém com um mínimo de responsabilidade, investido de poderes de presidente da República, teria feito um planejamento para enfrentar eventuais obstáculos, inclusive a majoração de preços dos insumos necessários para enfrentar a pandemia.

E outra: a prioridade das prioridades, para quem age de forma racional e lógica, é providenciar as condições para a imunização da população mesmo pagando o preço desses imprevistos. Mas não se deve esperar esse tipo de comportamento de Bolsonaro. O país teria mil alternativas para contornar a situação se o objetivo fosse o combate à pandemia. Como não é, qualquer obstáculo serve de pretexto para a sua política de deixar o povo totalmente no abandono, entregue à própria sorte.

Essa fala de Bolsonaro não surpreende exatamente por conta da sua conhecida conduta. Choca pela estupidez, mas não passa de reafirmação do seu descaso com a pandemia, incitando sabotagem ao isolamento social, ao auxílio emergencial, à ajuda aos estados e municípios e ao socorro às empresas vulneráveis aos efeitos econômicos da pandemia. É a lógica escravista de tratar o povo como mero reprodutor de capital, sem direitos trabalhistas e sociais e sem acesso aos recursos do Estado que deveriam ser priorizados como investimentos na saúde pública.

Seu projeto autoritário de poder se expressa também em condutas como essa, uma afronta ao papel do Estado e às responsabilidades precípuas do cargo de presidente da República, mais um atestado da sua inépcia e da sua incompatibilidade com a função que ocupa. Suas ações se somam, cotidianamente, ao seu intento de semear o caos para tentar colher mais poder, constatação cabal de que sua presença no Palácio do Planalto é uma ameaça constante ao Estado Democrático de Direito.

O país não pode ficar passivo diante de tanta desfaçatez. Urge a atenção para cada um de seus passos com a compreensão de que eles devem ser contidos por meio de respostas firmes, erguendo barreias amplas e consistentes, com a convicção de que a institucionalidade democrática do país está em questão. A defesa da democracia é a porta de entrada para as lutas por um novo rumo, capaz de combater esse caos que se traduz na tragédia representada por essa assustadora escalada de mortes.
 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub