Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

O CORRESPONDENTE

07
Ago22

Ai do Brasil, Copacabana

Talis Andrade

Image

 

por Fernando Brito

A exato um mês da pretendida demonstração de força planejada por Jair Bolsonaro, no Sete de Setembro, a ninguém é possível saber se o que deveria ser, apesar de todos os pesares, uma data de festa cívica de congraçamento da identidade nacional e que foi, por aquele homem, transformada em dia de confronto e de intolerância.

Pode-se, sem qualquer esforço ou dar margem a imaginação delirante, listar muitos riscos e ameaças para o que seria um trivial “Dia da Pátria”, daqueles em que se leva as crianças para ver a Esquadrilha da Fumaça ou a passagem do Dragões com seus penachos, transformado em manifestação político-eletoral. Ou melhor: anti-eleitoral, porque os gritos serão de “fecha”, “cassa” e “intervenção militar”.

Como separar completamente, mesmo na Esplanada dos Ministérios, a parada militar e o comício – para dizer o menos – bolsonarista. Aliás, não há qualquer intenção de fazê-lo, a ver o que se pretende (ou pretendeu, pois parece que há chabu na história) com a inusitada transferência do desfile militar no Rio para a orla de Copacabana, palco renitente das manifestações pró-Bolsonaro.

 

Image

 

Janio de Freitas, na Folha, abre seu artigo dominical com a inquietação óbvia:

A impossibilidade de uma ideia sadia de Bolsonaro denuncia, por si só, algum propósito maléfico em sua ordem que transfere o desfile de 7 de Setembro para Copacabana, avenida Atlântica. A passagem das tropas, sem a largura usual nesses velhos exibicionismos, será abaixo de um paredão de altos edifícios de onde podem sair muitas coisas. Um rojão, por exemplo, dos usados nos estádios, em mãos bolsonarista e apontado para baixo —pânico, reações armadas, ninguém dirá o que pode vir.

 

Image

 

O colunista “pega leve”. Pode ser pior, e não é difícil. Um disparo, dos milhões de armas que passaram a circular livremente, ainda que não contra as tropas armadas pode detonar correrias, ferimentos, mortes, mesmo que tenha sido apenas a manifestação de insânia de um armamentista, como salva à estupidez. Ou, pior, planejada provocação que não é rara na história.

Que sentido estúpido para a velha crônica de Rubem Braga, Ai de ti, Copacabana,”porque a ti chamaram Princesa do Mar, e cingiram tua fronte com uma coroa de mentiras”.

Parece, porém, estar havendo dificuldade em consumar-se o plano louco de fazer uma mistureba de fanatismo político e parada militar, consumando a promiscuidade das Forças Armadas com uma facção totalitária. Os militares, no seu jargão, chamam de false flag (bandeira falsa), um Riocentro

Não se sabe, porém, o quanto ela é real e traduz um inconformismo de parte do comando das Forças Armadas com o desvirtuamento total de seu papel institucional.

O aparente recuo do presidente, que ontem não citou a presença de militares no ato bolsonarista de Copacabana está longe de nos tranquilizar, porque a sucessão de mentiras e dissimulações presidenciais é notória.

As manifestações que isolam politicamente Bolsonaro têm, agora, mais uma e decisiva função: fazer com que o que resta de sadio na cúpula das Forças Armadas recuse entas imprudências e não forneçam a ele o palco para encenações dramáticas.

Image

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub