Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

O CORRESPONDENTE

17
Fev22

A tragédia de Petrópolis tem culpados

Talis Andrade

Capa do jornal Extra 18/02/2022

 

Por Eric Nepomuceno /Jornalistas pela Democracia

Tenho desde sempre uma forte ligação com Petrópolis. A família de minha avó paterna, Laura de Oliveira Xavier, é de lá. Trago da primeira infância algumas faíscas de memória, todas felizes.

Há exatos vinte anos e meio tenho uma casa no distrito de Araras, um tanto distante do centro, onde passo metade da semana e me sinto especialmente abrigado.

Faço esse relato para explicar que a tragédia vivida pela bela cidade me dói de maneira especial. E, ao mesmo tempo, reforça a minha mais profunda indignação.

Até o momento em que escrevo são 117 mortos e ao menos 116 desaparecidos. É a pior tragédia da história da cidade de Petrópolis. Sim, sim, há pouco mais de dez anos houve tragédia ainda maior, com mais de 900 mortos, mas em todo o município, que é extenso. Na cidade propriamente dita foram 74.

As imagens que circulam intensamente desde o mesmo entardecer da terça-feira são chocantes e dolorosas. Agora mesmo acabo de ver a filmagem de várias pessoas tentando desesperadamente sair de dois ônibus mergulhados na correnteza de lama e sendo levadas pelas águas. Terão sobrevivido?

Na quarta-feira vi o desespero de uma jovem mãe tentando, com uma enxada, resgatar a filha que estava soterrada. Não conseguiu. O corpo morto da menina foi encontrado no dia seguinte.

Por todos os lados circulam pedidos de doações. Petrópolis precisa de comida, de água, de roupas e colchões para quem perdeu tudo.

Pois precisa disso e de muito mais. O que estamos vendo não é, ao contrário do que dizem os incautos ou os ignorantes ou os cúmplices, um desastre causado pela fúria da natureza.

Não, não: como bem disse há décadas o escritor uruguaio Eduardo Galeano, a natureza não se enfurece. Ela apenas reage ao que fazem com ela.

O que estamos vendo em Petrópolis é o resultado do que se vê Brasil afora: a ocupação desenfreada de áreas de risco, de zonas abandonadas, e na imensíssima maioria dos casos essa ocupação é feita pelos pobres ou miseráveis. 

É o resultado das brutais desigualdades sociais que encobrem este país de vergonha e miséria.

E também o resultado da incompetência pública dos governantes. Sim, sim: de prefeitos, governadores, legisladores e dos presidentes. Da falta radical de políticas de preservação, de urbanização e principalmente de moradias populares.

Se algo se avançou nessa direção durante um tempo, hoje o que temos é puro retrocesso.

Em 2017 um estudo da Defesa Civil alertou que na cidade de Petrópolis havia quinze mil imóveis em áreas de risco de destruição – leia-se: alto risco. E nada foi feito.

Ou melhor, uma coisa o governador bolsonarista Claudio Castro fez: no ano passado, cortou para pouco menos da metade o dinheiro previsto em orçamento para programas de prevenção de riscos e resposta a desastres ambientais no estado do Rio de Janeiro. O resto teve outro destino.

Não é preciso ser urbanista ou especialista para entender o que eles todos dizem: a falta de uma política habitacional destinada às camadas mais pobres da população é a verdadeira causa das invasões desenfreadas de zonas de risco, tanto terras públicas como abandonadas pelos donos. 

E enquanto nada for feito, novas tragédias vão acontecer.

Não, não, a culpa não é da natureza. A culpa é da injustiça social escandalosa de nosso país e da irresponsabilidade de nossos governantes. 

Capa do jornal Meia Hora 18/02/2022
 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub