Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

29
Dez20

A OPOSIÇÃO NÃO FEZ ACORDO NA CÂMARA: ADERIU

Talis Andrade

Bolsonaro-e-Rodrigo-Maia.jpg

 

 

Por Vivaldo Barbosa

- - -

É usual, e às vezes recomendável, acordos entre bancadas parlamentares, sempre restritos ao âmbito parlamentar.

Mas não podem ficar muito distantes dos princípios e valores que defendem em suas ações políticas.

Pois o Congresso toma as decisões mais fundamentais na vida do País: dali emanam as leis que conferem direitos e até privilégios e vantagens.

Na escolha do Presidente da Câmara e do Senado, é natural que a oposição procure fazer alianças com outras forças políticas.

No caso da Câmara, a Oposição indicou que preferia se entender com o grupo articulado pelo Rodrigo Maia, MDB, DEM e outros, pois o outro grupo, liderado pelo Lira, tem o apoio ostensivo do Bolsonaro.

Embora os dois grupos se empenhem arduamente pela aprovação da política econômica neoliberal do Governo, o que agride diretamente a Oposição.

Aliás,  Rodrigo Maia esclareceu que articula a eleição de um novo Presidente da Câmara para aprovar integralmente os projetos do governo na área econômica, de desmonte do Estado e retirada de direitos dos trabalhadores, que as diatribes do Bolsonaro às vezes atrapalham.

A Oposição, com seus mais de 130 votos, é a maior força na escolha do novo Presidente da Câmara, bem mais que MDB ou DEM.

Sem o voto da Oposição, não ganham.

Mas o que a Oposição conseguiu arrancar do DEM/MDB para apoiá-los?

Se escolheu o lado que não tem o apoio ostensivo do Bolsonaro, deveria com ele fazer os acordos, listar as questões comuns que a nova direção da Câmara se comprometeria a seguir.

E escolher o nome do candidato a Presidente de comum acordo.

Com sua força, a oposição poderia ter exigido muita coisa, como paralização das privatizações e pôr um fim na retirada de direitos e participar da escolha do candidato a Presidente.

Mas não foi isso que se fez. A oposição aderiu ao candidato escolhido pelo Rodrigo Maia, decorrente das articulações que fez e do interesse estratégico do DEM.

No caso, foi vantajoso ser escolhido o candidato do MDB para facilitar a articulação do DEM para a presidência do Senado.

Na questão da luta política, a Oposição limitou-se a fazer uma nota acerca de suas questões, sem pedir nenhum compromisso com os parceiros no acordo.

Pois acordo, mesmo, não houve: tão somente adesão.

Boa oportunidade está sendo perdida.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub