Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

07
Jun20

A farsa lavajatista de combate à corrupção na Petrobras

Talis Andrade

 

ai5 com bolsonaro moro paulo guedes.jpeg

 

Paulo Guedes montou uma quadrilha que deu um rombo de 6,5 bilhões nos fundos de pensão das estatais 

 por Emanuel Cancella

As Operações Lava Jato, chefiadas pelo ex-juiz Sergio Moro, que investiga a Petrobrás, e a Greenfield, que investiga os fundos de pensão, estão sendo desmascaradas pelos fatos.

Na verdade, a Lava Jato foi concebida para  desmoralizar  a Petrobrás no sentido de facilitar sua privatização e a Greenfield para entregar os fundos de pensão das estatais e o mercado de aposentadorias complementares aos bancos privados.

A Greenfield denunciou vinte e nove pessoas, por “possível” gestão temerária, inclusive companheiros da FUP, FNP e Aepet.

Entretanto mostrou que sua finalidade não é combater a corrupção tanto, assim como a Lava Jato, a Greenfield omitiu-se criminosamente em relação ao então assessor de Bolsonaro, Paulo Guedes, quando este, apesar de ser réu, foi nomeado ministro da Economia de Bolsonaro (1).

Era réu porque Paulo Guedes, junto com seu assessor Esteves Colnago e outros, com a omissão criminosa da Lava Jato e Greenfield, montou uma quadrilha que deu rombo de R$ 6.5 BI nos fundos de pensão das estatais, entre eles o da Petros (2,3). E Paulo Guedes não foi preso e nem paga pelo rombo. 

Por outro lado, o que a Greenfield cita como gestão temerária é a empresa Sete Brasil, criada para fabricar sondas para o pré-sal, na qual a Petros e outros fundos de pensão aportaram vultosos recursos.

Com certeza que construir sondas para o pré-sal está entre os melhores negócios no mundo.

Mas a Greenfield, em nome do combate à corrupção, mandou fabricar as sondas no exterior, gerando assim investimentos, empregos e renda para os gringos.

Alias a Lava Jato fez o mesmo com as duas refinarias, do Ceará e Maranhão, e com a indústria naval brasileira (11,12).

Quanto aos membros da FUP, FNP e Aepet, citados pela Operação Greenfield por gestão temerária, os petroleiros não só acreditam na inocência desses companheiros, mas os elegeram para representá-los porque eles sempre lutaram pela Petrobrás e pela categoria.   

Lamentavelmente, as direções da FUP, FNP e Aepet deram aval para os petroleiros aprovarem, nas assembléias, o PED (Plano de Equacionamento de Déficit), por conta de um rombo na Petros, que resultou no desconto nos salários dos petroleiros, ativos e aposentados de, no mínimo, de 13%, e por 18 anos. E mais, as direções da Petrobrás e da Petros, malandramente, estão transformando em vitalício esse desconto e o absurdo é que a ampla maioria dos petroleiros nunca foi gestora da Petros.

O que transparece para alguns petroleiros é que as direções da FUP, FNP e Aepet estão reféns da farsa do lavajatismo e fizeram acordo, que resultou no PED e também de não questionar os efeitos da farsa do combate à corrupção na Petrobrás.

Digo isso, porque enquanto diretor do Sindipetro-RJ e da FNP, realizamos escrachos na residência de diretores e Gerentes Gerais da Petrobrás, isso no governo Dilma, e fomos processados na Justiça. Então fizemos acordo, diante da ameaça de sermos presos,  de não falarmos mais em boletins, na boca de ferro, nos nomes dos escrachados.  

Esse imbróglio envolveu a diretora Fabiola Monica, Edison Munhoz e Emanuel Cancella.

A Fabíola, em principio, rejeitou o acordo, mas depois a convencemos a concordar. Dali para frente, mesmo assim, continuamos a criticar essas pessoas, só não citávamos os nomes delas explicitamente, mas falarmos no apelido, no cargo etc.

A cooperação com a Lava Jato foi tanta que a companheira advogada da FNP, Raquel Sousa, valorosa e competente, que barrou várias privatizações, via liminares, entretanto, segunda a própria, no documentário Bem Maior, O filme!, Raquel mandava relatórios para a lava Jato (5). Aliás, o filme é magnífico!

Isso constitui uma contradição, pois, enquanto eu, um dos Coordenadores da FNP, em 2016, escrevia um livro, “A outra Face de Sergio Moro – Acobertando os tucanos e entregando a Petrobrás”, nossa advogada colaborava com a Lava Jato.

Talvez por essa e outras matérias, e pelo meu livro, A outra Face de Sérgio Moro, minhas três intimações, duas pelo MPF, a pedido de Moro, e a terceira pela policia Federal, subordinada a Moro (7 a 10).

Mas a mim, não conseguiram calar!

Em novembro de 2016, denunciei formalmente ao MPF a omissão criminosa da Operação Lava Jato, em relação à gestão criminosa dos tucanos FHC e Pedro Parente na Petrobrás, até hoje sem reposta. Veja denúncia na íntegra (4).

Relato isso porque precisamos salvar a imagem da Petrobrás e dos petroleiros, no Brasil, visto que no exterior ganhamos em Hoston, EUA, pela 3ª vez o prêmio OTC, considerado o “Oscar” da indústria do petróleo, por desenvolvimento de tecnologia inédita no mundo que resultou na descoberta do pré-sal. Entretanto só conseguiremos isso rompendo e denunciando o lavajatismo.

Aliás, nesta semana, deputados de dez partidos já assinaram pedido para instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) com o objetivo de investigar o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro (6).

Os petroleiros estão esperando o quê? Fontes citadas aqui

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub