Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

O CORRESPONDENTE

02
Jan19

LARANJA É A COR MAIS QUENTE O governo militar da família Bolsonaro

Talis Andrade

posse casal bolsonaro.jpg

Bolsonaro usa a faixa presidencial na vertical, e a primeira-dama na vertical

 

247 - O presidente Jair Bolsonaro surpreendeu o país em seus discursos no Congresso e no púlpito do Palácio do Planalto que marcaram o início de seu governo. No primeiro, acusou "inimigos da pátria, da ordem e da liberdade" pelo atentado a faca que sofreu em Juiz de Fora em 6 de setembro. No segundo, disse que seu governo irá "restabelecer a ordem neste país" e que, com sua vitória, o Brasil irá "se libertar do socialismo" e do "politicamente correto". Ao final, falou em derramar sangue para defender a bandeira "verde e amarela". Qual será o próximo passo de seu governo?

facada.jpg

bolsonaro facada.jpg

Se não tinha sangue, não precisava luvas, justifica Olavo 

 

No discurso no Congresso, em tese mais formal, o capitão-presidente afirmou que teria ocorrido uma reação à trama contra sua vida: "milhões de brasileiros foram às ruas" -algo inusitado, que jamais aconteceu. Segundo a versão que apresentou, o atentado teria transformado a campanha eleitoral "um movimento cívico" que o teria levado à vitória. Na versão do agora presidente, os brasileiros "tomaram as ruas para preservar nossa liberdade e democracia" em reação ao atentado. O discurso serviu para manter a lógica de confrontação com a esquerda e os democratas do país.

maringoni posse.jpg

O tradicional discurso dos presidentes logo depois da posse, no púlpito do Palácio do Planalto, dirigido às pessoas que se concentram na Esplanada dos Ministérios, foi como que a consequência do primeiro. Bolsonaro afirmou que seu governo irá "restabelecer a ordem neste país" e que, com sua vitória, o Brasil irá "se libertar do socialismo" e do "politicamente correto". Diante de seus fãs, radicalizou os termos do discurso de posse de uma hora antes no Congresso Nacional. Percorreu toda a agenda de slogans dos fundamentalistas e da extrema-direita.

tacho posse laranja.jpg

 

Atacou as "ideologias nefastas", a "ideologização das nossas crianças", o "desvirtuamento dos direitos humanos"; falou em "acabar com a ideologia que defende bandidos e criminaliza policiais" para, em seguida, defender o "direito de propriedade" e o direito "à legítima defesa" -numa menção indireta à sua intenção de praticamente liberar a posse de armas no país. 

escola Inquisicao-aos-professores-brasileiros.png

No Congresso, Bolsonaro manteve o ataque ao sistema educacional do país e indicou mais uma vez que poderá iniciar uma campanha de perseguição ideológica nas instituições de ensino pois o país passaria a ter "boas escolas" com a função de "preparar seus filhos para o mercado de trabalho e não para a militância política". O espírito é o mesmo do tuíte da véspera, no qual havia afirmado que uma das metas de seu governo será "combater o lixo marxista que se instalou nas instituições de ensino", para ele, a educação no país forma "militantes políticos" e que passará a formar "cidadãos".

vitor justiça moro.jpg

Depois de atacar sistematicamente a esquerda e a oposição de uma maneira geral, Bolsonaro assentou o paradoxo: "Reafirmo meu compromisso de construir uma sociedade sem discriminação ou divisão".

posse direita_zedassilva.jpg

O discuso, recheados de ameças, foi presidido pela lógica da ação e do pensamento das elites nacionais. Bolsonaro falou em "um verdadeiro pacto nacional entre a sociedade e os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, na busca de novos caminhos para um novo Brasil" -corolário do processo de tomada da cúpula dos três Poderes pela direita e extrema-direita nos últimos anos. Seu conceito de pacto dos Poderes coma sociedade, indica seu discurso, exclui da "sociedade" todos aqueles que se opõem à agenda do novo regime. 

kamenes bandeira.jpg

Foi o discurso de posse de um presente que se considera em tempos de guerra (a íntegra está aqui). Seu ponto culimante foi o improviso cometido no púlpito do Planalto, depois de encerrado o discurso formal: chacoalhando uma bandeira brasileira, proclamou o slogan da direita segundo o qual "essa é a nossa bandeira que jamais será vermelha". E completou, em tom de ameaça: "Só será vermelha de for preciso nosso sangue para mantê-la verde e amarela".

bandeira laranja bolsonaro .jpg

 

02
Jan19

...

Talis Andrade

posse casal bolsonaro.jpg

Bolsonaro usa a faixa presidencial na vertical, e a primeira-dama na vertical

facada.jpg

"Só será vermelha se for preciso nosso sangue para mantê-la verde e amarela"

 
 
247 - O presidente Jair Bolsonaro surpreendeu o país em seus discursos no Congresso e no púlpito do Palácio do Planalto que marcaram o início de seu governo. No primeiro, acusou "inimigos da pátria, da ordem e da liberdade" pelo atentado a faca que sofreu em Juiz de Fora em 6 de setembro. No segundo, disse que seu governo irá "restabelecer a ordem neste país" e que, com sua vitória, o Brasil irá "se libertar do socialismo" e do "politicamente correto". Ao final, falou em derramar sangue para defender a bandeira "verde e amarela". Qual será o próximo passo de seu governo?
 

escola Inquisicao-aos-professores-brasileiros.png

 

No discurso no Congresso, em tese mais formal, o capitão-presidente afirmou que teria ocorrido uma reação à trama contra sua vida: "milhões de brasileiros foram às ruas" -algo inusitado, que jamais aconteceu. Segundo a versão que apresentou, o atentado teria transformado a campanha eleitoral "um movimento cívico" que o teria levado à vitória. Na versão do agora presidente, os brasileiros "tomaram as ruas para preservar nossa liberdade e democracia" em reação ao atentado. O discurso serviu para manter a lógica de confrontação com a esquerda e os democratas do país.

bolsonaro facada_pelicano.jpg

 

O tradicional discurso dos presidentes logo depois da posse, no púlpito do Palácio do Planalto, dirigido às pessoas que se concentram na Esplanada dos Ministérios, foi como que a consequência do primeiro. Bolsonaro afirmou que seu governo irá "restabelecer a ordem neste país" e que, com sua vitória, o Brasil irá "se libertar do socialismo" e do "politicamente correto". Diante de seus fãs, radicalizou os termos do discurso de posse de uma hora antes no Congresso Nacional. Percorreu toda a agenda de slogans dos fundamentalistas e da extrema-direita.

Fraquejada posse.jpg

 

Atacou as "ideologias nefastas", a "ideologização das nossas crianças", o "desvirtuamento dos direitos humanos"; falou em "acabar com a ideologia que defende bandidos e criminaliza policiais" para, em seguida, defender o "direito de propriedade" e o direito "à legítima defesa" -numa menção indireta à sua intenção de praticamente liberar a posse de armas no país. 

mariano posse armas .jpg

 

No Congresso, Bolsonaro manteve o ataque ao sistema educacional do país e indicou mais uma vez que poderá iniciar uma campanha de perseguição ideológica nas instituições de ensino pois o país passaria a ter "boas escolas" com a função de "preparar seus filhos para o mercado de trabalho e não para a militância política". O espírito é o mesmo do tuíte da véspera, no qual havia afirmado que uma das metas de seu governo será "combater o lixo marxista que se instalou nas instituições de ensino", para ele, a educação no país forma "militantes políticos" e que passará a formar "cidadãos".

vitor justiça moro.jpg

 

Depois de atacar sistematicamente a esquerda e a oposição de uma maneira geral, Bolsonaro assentou o paradoxo: "Reafirmo meu compromisso de construir uma sociedade sem discriminação ou divisão".

posse direita_zedassilva.jpg

 

O discuso, recheados de ameças, foi presidido pela lógica da ação e do pensamento das elites nacionais. Bolsonaro falou em "um verdadeiro pacto nacional entre a sociedade e os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, na busca de novos caminhos para um novo Brasil" -corolário do processo de tomada da cúpula dos três Poderes pela direita e extrema-direita nos últimos anos. Seu conceito de pacto dos Poderes coma sociedade, indica seu discurso, exclui da "sociedade" todos aqueles que se opõem à agenda do novo regime. 

kamenes bandeira.jpg

bandeira V.T..jpg

 

Foi o discurso de posse de um presente que se considera em tempos de guerra (a íntegra está aqui). Seu ponto culimante foi o improviso cometido no púlpito do Planalto, depois de encerrado o discurso formal: chacoalhando uma bandeira brasileira, proclamou o slogan da direita segundo o qual "essa é a nossa bandeira que jamais será vermelha". E completou, em tom de ameaça: "Só será vermelha se for preciso nosso sangue para mantê-la verde e amarela".

bandeira laranja bolsonaro .jpg

 

02
Jan19

Choro da Imprensa II

Talis Andrade

jornalistas ovelhas .jpg

 

Pág. 9/9

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub