Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

30
Set18

Bolsonaro rompe el debate en Brasil

Talis Andrade

 

 

Personalidades y colectivos se manifiestan en favor o en contra del polémico ex militar

ruas contra bolso.jpg

 

 

  • Las calles de Sao Paulo fueron escenario de una de las 30 manifestaciones que tuvieron lugar ayer en Brasil contra el candidato Jair Bolsonaro. Foto: Efe
 
 
 
por José Antonio Vera-Enviado
 

 

 
«Bemvindos ao Brasil». El «país de la alegría» se ha transformado estos días en un lugar en el que el tema único es Bolsonaro. A favor o en contra de Bolsonaro. Sus partidarios lo defienden como a una religión. Sus detractores convocan manifestaciones, suscriben manifiestos e incendian de mensajes las redes sociales. Nadie permanece neutral ante la irrupción electoral de este ex militar tildado de homófobo y racista, violento y machista, provocador y disparatado, que ha reaparecido con una entrevista televisiva tras ser acuchillado en Minas Gerais.
 
 

Ayer mismo se manifestaron en Sao Paulo y otras 30 ciudades miles de mujeres que se sienten agredidas por la misoginia de quien ha llegado a defender que las hembras cobren salarios más bajos que los hombres, e incluso llamó a una periodista «idiota», a una diputada «vagabunda», y le soltó a otra que «no te mereces ni que te violen, de fea que eres».

 

Lo cierto es que las mujeres no son una minoría en Brasil. Representan al 52% del electorado, aunque es verdad que entre los partidarios del candidato acuchillado figuran también cientos de féminas, tan combativas como los hombres en la defensa del ex militar.

 

Pero las miles que ayer salieron a la calle en la ciudad de Sao Paulo y en otras treinta ciudades no son precisamente seguidoras de Bolsonaro. Todo lo contrario: le detestan tanto como él a ellas, y lo prueban los eslóganes que se enarbolaron, bajo el hastag #elenao (él no): «él no nos va a oprimir», «él no nos va a callar», abanderadas por Madonna y las cantantes brasileiras Anitta y Marilía Mendoça.

 

La realidad es que Bolsonaro no deja indiferente a nadie. Acaba de reaparecer con una entrevista en el «Jornal do Band», uno de los telediarios más vistos del país, con una camiseta amarilla y una leyenda agradeciendo a Dios su recuperación. Sentado en la cama y aún semi-sondado, dice estar preparado para «quebrar el sistema», y asegura que el único resultado que aceptará «es la victoria», que será tan grande que «no habrá necesidad de un segundo turno». Tras definirse como «cristiano, patriota y hombre de familia», mandó callar a su vice, el general Hamilton Mourao, por su actitud crítica hacia la paga extra de los trabajadores brasileños.

 

Curiosamente su reaparición coincidió con las denuncias de su ex mujer en la revista «Veja», acusándole de robar un cofre del banco, ocultar patrimonio y recibir pagos no declarados. In La Razón, Espanha 

 

30
Set18

Abre en Las Vegas el primer museo interactivo de marihuana del mundo

Talis Andrade

maconha.jpg

 

 

Ámsterdam, Montevideo y Barcelona son tres destinos que cuentan con un museo dedicado a. cannabis, si bien ninguno de éstos se asemeja al que acaba de abrir sus puertas en el estado de Nevada. El Cannabition, ubicado en el corazón de Las Vegas, es el primer museo interactivo de marihuana del planeta. Un espacio con más de 20 exhibiciones que celebran el arte, la historia y la cultura relacionados con el uso del cannabis en América y en el mundo.

 

En cada sala temática los visitantes se internan en el universo de la marihuana: desde la floración de la planta hasta sus diferentes usos y efectos, pasando por las técnicas de extracción.

 

30
Set18

Bolsonaro asegura que no aceptará la derrota frente al PT

Talis Andrade

 

Una gran marcha de mujeres protestó ayer contra el candidato ultra, famoso por sus comentarios machistas

 

mariano ele nao.jpg

 

 

En su primera entrevista, aún en el hospital donde se recupera de un atentado, el ultraderechista Jair Bolsonaro, líder en las encuestas en primera vuelta, declaró que no aceptará una derrota frente a Fernando Haddad, del Partido de los Trabajadores (PT), que a ocho días de las elecciones en Brasil, deberá ir con él a una segunda, según indican las encuestas.

 

«No puedo hablar por los comandantes militares. Pero por lo que veo en las calles, no acepto un resultado diferente que mi elección», afirmó el excapitán del Ejército en declaracioens a la cadena Bandeirantes. «El PT sólo gana con fraude», afirmó el candidato, que se recupera de una puñalada en el abdomen, sufrida durante un mitin en Minas Gerais, el pasado 6 de septiembre.

 

Rechazo de las mujeres

Mujeres de todo el país realizarán marchas ayer contra el controvertido presidenciable, famoso por comentarios machistas, racistas y homófobos. Las marchas contra Bolsonaro han encontrado eco incluso en el exterior, con eventos en Lisboa, Londres y varias ciudades norteamericanas.

 

Artistas e intelectuales brasileños han engrosado las filas en la campaña contra el candidato apoyando en redes sociales el lema «Ele Não» (Él, no). Traducida al inglés como «Not him», la campaña fue apoyada el viernes por la cantante Madonna y por otros famosos como Cher y la británica Dua Lipa.

 

Más de dos millones de mujeres se han unido a un grupo en Facebook con el nombre «Mujeres contra Bolsonaro» y organizado protestas en más de setenta ciudades del país. La protesta cuenta con el apoyo de los candidatos de izquierda y centro-izquierda. El grupo se ha reforzado en los últimos días, después que hackers simpatizantes de Bolsonaro invadieron la página, que era privada, y persiguieran a las líderes, publicando sus datos personales. In ABC, Espanha

 

30
Set18

EE.UU. traslada a los niños separados de sus padres a un campamento en el desierto

Talis Andrade

 

 

Unos 1.600 menores residen separados por sexo y edad en unas tiendas de campaña en las que no son escolarizados

genin criança jaula.jpg

 

Pelo noticiário de junho último, 49 crianças brasileiras estão em abrigos e foram separadas dos pais ao ingressarem ilegalmente nos Estados Unidos. A informação é do cônsul-geral adjunto do Brasil, em Houston, Felipe Santarosa.

 

Ninguém sabe do paradeiro dessas crianças, que o governo brasileiro do golpista Michel Temer é demasiado vassalo para qualquer reclamo. Tão covarde quanto Temer é o chanceler Aloysio Nunes, lambe botas dos marines.

 

El Gobierno de Estados Unidos ha trasladado en las pasadas semanas a un campamento en medio del desierto de Tejas a cientos de niños indocumentados a los que ha separado de sus familias y que hasta el momento habían sido internados en centros y familias de acogida en otros puntos del país. Los menores, unos 1.600 en total, residen ahora separados por sexo y edad, en grupos de 20, en un campamento similar a los de refugiados en países en conflicto, en la localidad tejana de Tornillo.

 

criança prisão Popa Matumula.jpg

 

30
Set18

De Lisboa a Berlim, manifestantes anti-Bolsonaro repetiram que "Ele Não"

Talis Andrade

  

Lisboa e Berlim dizem “não” a Bolsonaro

 

A alta de Jair Bolsonaro coincidiu com um dia de protestos contra a sua candidatura, convocado pelo movimento de mulheres brasileiras #EleNão e com manifestações previstas para várias cidades brasileiras e também por todo o mundo.

 

Cerca de três centenas de pessoas juntaram-se este sábado na Praça Luís de Camões, no centro de Lisboa, a gritar e a cantar palavras de ordem contra o candidato da extrema-direita às eleições presidenciais brasileiras. Os manifestantes juntaram-se pelas 16h no Chiado, onde cantaram e gritaram as palavras de ordem vindas da campanha brasileira: “Ele não”, “ele nunca”, “fascistas, fascistas, não passarão” ou “eu não voto no candidato fascista”.

 

A praça da capital portuguesa ficou repleta de bandeiras do Brasil, bandeiras da comunidade LGBT e balões roxos, em homenagem à vereadora carioca Marielle Franco, assassinada em Março, no Rio de Janeiro.

Na Alemanha, um país que conserva na memória a ditadura fascista, mais de 300 pessoas responderam ao apelo, lançado nas redes sociais, para um protesto contra a eleição de Bolsonaro. O local do encontro foi definido na rede social Facebook, mas, para os mais distraídos, foi escrito a giz, no chão, em letras grandes: “Ele Não”.

 

A mensagem aparece repetida em cartazes, traduzida para inglês e alemão, pode ler-se também em t-shirts e até na cara de muitas mulheres que decidiram juntar-se em May-Ayim-Ufer, numa das margens do rio Spree. Marcela Dias, a viver há dois anos em Berlim, foi das primeiras a chegar. Trazia uma camisola com as cores da bandeira gay, “ele não” escrito na bochecha, e lápis na mão. Vai pintando outras mulheres que fazem fila à espera de vez.

 

“Ele não, ele de jeito nenhum, como pode? Acho que nem é uma questão política ou de direita ou esquerda. É uma questão humanitária”, confessa, enquanto vai explicando o que a levou a aceitar a chamada nas redes sociais. “Eu sinto mais esperança do que medo, para ser sincera. O medo está lá, mas prefiro acreditar que as coisas vão virar e que ele não vai ganhar”, desabafa Marcela Dias, que vai votar nas eleições 7 de Outubro.

 

O evento “Mulheres unidas contra o Bolsonaro em Berlim” foi criado por Lou Trajano, de 24 anos. “Estou muito assustada, pensar no nosso Brasil a passar novamente por uma ditadura ou por tempos difíceis com alguém que não está minimamente preparado para governar o país. Dá um clima de incerteza muito grande, é assustador”, desabafa a organizadora, a viver na Alemanha há cerca de dez meses. Transcrevi trechos

 
30
Set18

Contra o fascista Bolsonaro, elas marcharam pela democracia

Talis Andrade


No Rio de Janeiro, as mulheres juntaram-se sob o chapéu do movimento #EleNão para lutar contra o candidato da extrema-direita brasileira às presidenciais de Outubro. Foi um grito a muitas vozes. “Não, não, ele é fascista/ Meu voto será feminista.”

 

 

por Clara Barata
Público/ Portugal

___

Nem se diz o nome dele, para não dar azar. “É o Bozo, o palhaço, o coiso. Temos de tomar cuidado”, diz Cissa Cabral, junto a uma banquinha montada rés-vés à escadaria do edifício da Câmara Municipal do Rio de Janeiro, na Cinelândia, que vende t-shirts do movimento #EleNão, anti-Jair Bolsonaro – violeta, mais claro ou mais escuro, o tom escolhido para a manifestação aprazada para várias cidades brasileiras neste sábado, e também na Europa e noutros continentes.

 

“Sou jornalista, e do sou do PT [Partido dos Trabalhadores]. O meu pai também era jornalista, e foi um dos fundadores do sindicato”, explica Cissa Cabral, que hoje é aposentada, tem 62 anos. “Sou fundadora do PT. O primeiro núcleo do PT aqui no Rio nasceu lá nos fundos da minha casa, era proibido. Recolhíamos garrafas, papel, ferro-velho, para arranjar fundos. E radiografias”, explica sentada nas às escadarias do edifício da Câmara Municipal do Rio de Janeiro.

 

De t-shirt vermelha, calças de ganga, brinco na orelha com pérola e dourado, cabelo curto entre o louro e branco, encaracolado, Cissa Cabral é uma mulher determinada. Veio para a rua, para a manifestação das mulheres contra Bolsonaro, convocada através das redes sociais, horas antes da praça da Cinelândia, no Rio de Janeiro, se encher de gente – não apenas mulheres, com t-shirts roxas ou não, cabelos compridos, afro, azuis despenteados ou em trancinhas, homens – bastantes, por si sós ou atrelados aos seus amores, alguns com t-shirts feministas.

 

O problema, diz, é que este candidato esconde um perigo ainda maior. “Ele é apenas um sujeito manipulado por uma força maior, as chefias militares. Não é à toa que tem como vice um general que está a dar entrevistas a dizer coisas absurdas.”

 

Cissa Cabral tem dois filhos militares, um homem e uma mulher, ambos na Marinha, que fazem campanha por Fernando Haddad. “Mas são oficiais de carreira, por isso não tem problema, e são muito inteligentes, por isso não forçam ninguém”, explica.

 

Agora, o perigo de os militares quererem voltar ao poder, como no tempo da ditadura, não lhe parece nada remoto. “A ideia só não está encontrar apoio no ‘baixo clero’, se é que me entende. O comando militar Leste não concorda. Mas é uma cláusula pétrea da Constituição que não pode haver Governo militar”, assegura. “Eu já vivi numa ditadura militar, perdi um irmão de 17 anos para tortura, simplesmente porque era presidente de um grémio de estudantes”. Não quer correr riscos.

 

Bella Ciao


“Uma manhã eu acordei e ecoava ‘ele não, ele não, ele não, não, não, não/ Uma manhã eu acordei e lutei contra o opressor/ Somos mulheres, a resistência de um Brasil sem fascismo e sem horror / Vamos à luta para derrotar o ódio e pregar o amor.” A letra é nova, mas a música é Bella Ciao, uma canção que se tornou um símbolo da resistência italiana contra o fascismo. Ecoa na Cinelândia, tendo como alvo Jair Bolsonaro. “Ele não, nem o filho dele” – Flávio Bolsonaro disputa o cargo de senador pelo Rio de Janeiro. Leia mais. Veja vídeos e galeria de fotos

30
Set18

"Ele não": centenas protestam contra Bolsonaro em Lisboa

Talis Andrade

Os maninfestantes juntaram-se este sábado na Praça Luís de Camões

Lisboa sua linda, muito orgulho de viver aqui e ELE NÃO! ELE NUNCA!

 
 

 

 

Cerca de três centenas de pessoas concentraram-se este sábado na Praça Luís de Camões, no centro de Lisboa, a gritar e a cantar palavras de ordem contra o candidato da extrema-direita às eleições presidenciais brasileiras, Jair Bolsonaro.

 

Os manifestantes juntaram-se pelas 16:00 no Chiado, onde têm cantado e gritado: “ele não”, “ele nunca”, “fascistas, fascistas não passarão” ou "eu não voto no candidato fascista".

 

 

30
Set18

A polarização que colocou as mulheres em marcha contra o retrocesso

Talis Andrade

Embora a iniciativa das mulheres seja indiscutível, #EleNão se tornou o slogan de minorias insultadas por Bolsonaro, ganhando também apoio de homens 

 

brasil ele nao.jpg

M.TREZZINNI (EFE) / EPV

 

 

A menos de dez dias de o Brasil realizar a mais decisiva eleição presidencial de sua democracia, uma das armas mais poderosas no cenário político começou numa página no Facebook. O nome dela é Mulheres Unidas Contra Bolsonaro e até um mês atrás não existia. Hoje, tem cerca de três milhões de participantes. E também um único objetivo: deter Jair Bolsonaro, o político de extrema-direita que durante anos as usou como alvo de seus disparates, desde dizer para uma deputada que ela "não merecia ser estuprada" até considerá-las indignas de receber o mesmo salário que os homens. O que as motiva é um único dado, que, com 28% da intenção de votos, Bolsonaro é o candidato favorito, pelo menos no primeiro turno das eleições. O que faz o grupo crescer também é uma porcentagem: Bolsonaro é o candidato mais rejeitado pelo eleitorado no país: 46% do eleitorado. Ele perderia no segundo turno para qualquer dos seus oponentes. Ou seja, no momento, o único fenômeno no primeiro país latino-americano maior que Jair Messias Bolsonaro é o que procura freá-lo. Leia reportagem de

TOM C. AVENDAÑO in El País, Espanha (veja vídeo)
30
Set18

Mulheres quebram o jejum das ruas no Brasil com manifestações contra Bolsonaro

Talis Andrade

Manifestantes durante o protesto em São Paulo. LU

 Que meninada linda. Manifestantes durante o protesto em São Paulo. LULA BELTRÃO

 

 

Eram cinco e meia da tarde quando um som cadenciado de tambores silenciou de repente a multidão gigantesca que se reuniu no Largo da Batata, a praça dos protestos de São Paulo escolhida pelas mulheres para se manifestar contra o presidenciável Jair Bolsonaro no ato batizado de #Elenão. A percussão era do grupo Ilú Obá De Min – formado apenas por mulheres – que pediu passagem às pessoas para chegar ao carro de som. Quando os tambores pararam, uma locutora do alto do carro pediu ao público para repetir o manifesto criado para a ocasião. “Somos mulheres, milhões e diversas...”, começava o texto que explicava a razão do ato. “Estamos, hoje, juntas e de cabeça erguida nas ruas de todo o Brasil porque um candidato à presidência do país, com um discurso fundado no ódio, na intolerância, no autoritarismo e no atraso, ameaça nossas conquistas e nossa já difícil existência”, liam em coro as mulheres que quebraram o jejum das ruas dos últimos dois anos.

 

O ato na capital paulista, termômetro dos protestos no Brasil, reuniu centenas de milhares de pessoas, certamente mais de 100.000, no maior protesto popular registrado... Leia a reportagem no El País, Espanha, de

 
 

a lindeza.jpg

 Eta que lindeza. Manifestantes durante o protesto contra Bolsonaro. LELA BELTRÃO

 
30
Set18

18 fotografias do Ele Não no El País Espanha

Talis Andrade

1. brasil cinelândia.jpg

1. O Brasil se deparou neste sábado, 29 de setembro, com a maior manifestação de rua desde o auge da crise política do impeachment, em 2016. Atendendo a uma convocatória das mulheres que rejeitam o candidato de extrema direita, Jair Bolsonaro, centenas de milhares saíram às ruas sob a consigna #EleNão. A ofensiva foi seguida por vários grupos sociais e um dos maiores pontos de concentração foi o Largo da Batata, em São Paulo. Os organizadores falam em 150.000 pessoas, mas a Polícia Militar não quis estimar público. MIGUEL SCHINCARIOL AFP

 

2 visão do protesto salvador.jpg

2. Visão do protesto na orla de Salvador neste sábado, 29. A cantora Daniela Mercury puxou um mini-trio elétrico em apoio ao movimento. Veja mais 16 fotos aqui pelo Brasil inteiro livre do golpe de Temer e do Judiciário 

Pág. 1/30