Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

30
Abr18

Primeiro de Maio dos Trabalhadores do Brasil por Lula Livre

Talis Andrade

Vão festejar Jeferson fora de perigo

 

Concentração terá Beth Carvalho, Ana Cañas, Maria Gadú e Renegado, e unirá CUT, Força Sindical, CTB, NCST, UGT, CSB e Intersindical em defesa dos direitos e pela liberdade de Lula

 

jeferson.jpg

 

 

O presidente do Partido dos Trabalhadores no Paraná, deputado federal Doutor Rosinha, criticou na tarde de ontem (29) o vazamento de boletim médico de Jeferson Lima de Menezes,  baleado no pescoço em atentado contra o acampamento Marisa Letícia, em Curitiba, na madrugada de sábado.

 

Até ontem Jeferson estava entubado. "A família pediu para todos que não façam visita e não autorizou o hospital a divulgar boletins. Mesmo assim, o hospital soltou nota. Não se pode divulgar informações sem autorização. Vítima de um ataque terrorista, ele continua correndo risco", disse Rosinha. "O Hospital tem qualidade técnica, científica, e deve manter sua qualidade também no respeito ao sigilo de informações".

 

Jeferson, que é dirigente do Sindicato dos Motoboys do ABC está internado no Hospital do Trabalhador, em Curitiba, vinculado à Secretaria Estadual da Saúde do Paraná.

 

Dr. Rosinha afirmou que, desde o dia que Lula foi trazido à Curitiba, os manifestantes favoráveis ao ex-presidente têm sido hostilizados. “Todos os dias passam gente xingando, nos agredindo verbalmente, tanto que já tivemos um primeiro registro de agressão no outro acampamento”.

 

Segundo o político, que está direto no acampamento, não só os manifestantes, mas todos os envolvidos com os atos pró-Lula têm sido testemunhas do que vem acontecendo. “Sofremos agressão todos os dias, não só verbal, mas também de gente que joga pedra no acampamento, as pessoas passam e jogam de dentro dos carros. Agora, se alguém jogou pedra num carro por acaso, nada mais foi como revide”.

 

Para Dr Rosinha, a polícia tem que considerar o crime como um atentado terrorista. “Porque é essa a definição mais correta: quando uma pessoa armada atira num coletivo de pessoas civis de maneira descontrolada. Foi o que aconteceu e o estado do Paraná tem que tratar como um ato terrorista. Além disso, este comportamento do deputado Ricardo Arruda é um comportamento de alguém que defende atos terroristas”, considerou.

 

"Em Defesa dos Direitos Trabalhistas e por Lula Livre”

 

Pela primeira vez desde a redemocratização do país, as sete maiores centrais sindicais brasileiras farão, este ano, um 1º de Maio unificado. O ato de Curitiba terá como mote “Em Defesa dos Direitos e por Lula Livre” O que unificou CUT, Força Sindical, CTB, Nova Central, CST, UGT, CSB e Intersindical foi a defesa da liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mantido como preso político na sede da Superintendência da Polícia Federal de Curitiba há 20 dias, e a certeza de que eleição de Lula para presidente da República em outubro é a chance que a classe trabalhadora tem de conseguir resgatar direitos perdidos nos últimos anos.

 

Os sindicalistas estão também unificados em torno de uma pauta comum de interesse da classe trabalhadora, como uma política econômica de geração de empregos e renda, defesa da seguridade e da Previdência Social pública, o fim da lei do congelamento de gastos e a revogação da reforma Trabalhista. Os presidentes das sete centrais participam do ato, além de representantes de movimentos sociais como MST, MTST, UNE e Central de Movimentos Populares, entre outros integrados pelas frentes Brasil Popular e Povo sem Medo.

 

Como tem ocorrido desde a instalação do acampamento Lula Livre na capital paraense, a manifestação de terça-feira, a partir das 14h na Praça Santos Andrade (Praça da Democracia), no centro histórico de Curitiba terá um forte ingrediente cultural, com apresentação de artistas conhecidos por seu posicionamento em defesa da democracia, como Beth Carvalho, Ana Cañas, Maria Gadu, o rapper Renegado e muitos artistas locais.

 

 

 

30
Abr18

Canibalismo

Talis Andrade

Marcelo-Grassmann.jpg

 

 

Estranho bicho

perdido nos trópicos

para escapar

de um câncer de pele

se entoca no escuro

do quarto

aguardando a noite

escura noite

de frias asas

tenebrosas asas

lhe esconda

a luxuria do corpo

noutro corpo

 

Estranho bicho

de uma palidez lunar

espera a hora

de dar o golpe

a hora propícia

de pegar a presa

que neste velho

perdido mundo

quem não come

morre de véspera

 

 

A vida é morte

a morte é vida

a vida

um curto tempo

de engorda

 

Caçador furtivo

de sangue frio

no escuro da noite

espera a hora

de dar o bote

a hora propícia

de abocanhar

a carne tenra

e doce

a suculenta carne

sanguenta

 

 

---

Ilustração Marcelo Grassmann

Talis Andrade, O Enforcado da Rainha, ps. 75/76

30
Abr18

de Jussara Salazar

Talis Andrade

alice-e-lewis-carroll.jpg

Alice nos vê por

detrás da vidraça

 

 

por detrás do logos olho

me o sempre vemos uma alice agora

grã e seu vestido muito

clara

seus os olhos no bordado

peaux a pele vai alice

vítrea

 

aos rosados animais e ao relevo

rumo saltitante se da rapidez a

razia invisível lava na pureza

a reza no vermelho no espelho

sem alguma quase elipse há

um quase instar um quase amor

 

pontos-cruz saltam à glosa
o feltro sobre os cabelos portanto

laços flutuando na água.

 

 

Águas de luz

 

o ar em ondas agita a cambraia leve

lúnulas de sol e a luz

no desvio de suas águas

trama ecos de si e derrama

corpúsculos que submergem

ao fundo do lago e a hera amorosa

navega, enlaça o espelho do rio

e seus delfins

 

romãs entre os cordeiros em brancas

as raízes enroscam se pela pele

e pêlos de alice.

 

 


(O mapa)

 

a palavra água molha
o verso e beija
e seus olhos atrás do meu
olhar quando o silêncio
atravessa  a noite:

o território líquido
das distâncias sem dor

 

 

 ___

De Inscritos da casa de Alice

Seleta Antonio Miranda

Fotografia Lewis Carroll e Alice

 

30
Abr18

de Jussara Salazar

Talis Andrade

jussara salazar re vela .jpg

 

 

Plegária

 

Verde, âmbar as

pedras,

e as violetas rosadas –

eternas e o humo que

cobria o chão negro

como a noite, e quisera

falar-lhe em seu idioma

antigo

e recordar os lobos

correndo ao redor da

casa e a hera selvagem

cobrindo os vestidos e

os animais, pequenos,

nos bordados coloridos e

ramitos a entreabrir-se

brancos e escuros, cristal

de la luna ao reflexo

como a aparição das

lebres e das ovelhas

correndo os campos sob

as nuvens e a subterra

profunda do horto na

pele do ar em minutos

precisos, envolvendo o

tempo quando vi morrer

o sol, e o vento girando,

soprando mirações da

cor da água, nas rosas e

nos insetos. Quisera falar

seu idioma antigo e

guardar-lhe nas luzitas

do espelho como os

cravos também tão

antigos sobre a toalha

branca, e uma lua de

seda derrama um rosário

de ouro mais os rumores

de um sonho, quisera.

 

 

---

Seleta de Antonio Miranda

30
Abr18

Poemas aos Homens do nosso tempo

Talis Andrade

de Hilda Hilst

 

 

hilda hilst.jpg

 

 

Amada vida, minha morte demora.
Dizer que coisa ao homem,
Propor que viagem? Reis, ministros
E todos vós, políticos,
Que palavra além de ouro e treva
Fica em vossos ouvidos?
Além de vossa RAPACIDADE
O que sabeis
Da alma dos homens?
Ouro, conquista, lucro, logro
E os nossos ossos
E o sangue das gentes
E a vida dos homens
Entre os vossos dentes.

***

Ao teu encontro, Homem do meu tempo,
E à espera de que tu prevaleças
À rosácea de fogo, ao ódio, às guerras,
Te cantarei infinitamente à espera de que um dia te conheças
E convides o poeta e a todos esses amantes da palavra, e os outros,
Alquimistas, a se sentarem contigo à tua mesa.
As coisas serão simples e redondas, justas. Te cantarei
Minha própria rudeza e o difícil de antes,
Aparências, o amor dilacerado dos homens
Meu próprio amor que é o teu
O mistério dos rios, da terra, da semente.
Te cantarei Aquele que me fez poeta e que me prometeu

 

Compaixão e ternura e paz na Terra
Se ainda encontrasse em ti, o que te deu.

 

 

30
Abr18

Hilda Hilst

Talis Andrade

Hilda Hilst incompreendida.jpg

 

 

Araras versáteis

 

Araras versáteis. Prato de anêmonas.
O efebo passou entre as meninas trêfegas.
O rombudo bastão luzia na mornura das calças e do dia.
Ela abriu as coxas de esmalte, louça e umedecida laca
E vergastou a cona com minúsculo açoite.
O moço ajoelhou-se esfuçando-lhe os meios
E uma língua de agulha, de fogo, de molusco
Empapou-se de mel nos refolhos robustos.
Ela gritava um êxtase de gosmas e de lírios
Quando no instante alguém
Numa manobra ágil de jovem marinheiro
Arrancou do efebo as luzidias calças
Suspendeu-lhe o traseiro e aaaaaiiiii…
E gozaram os três entre os pios dos pássaros
Das araras versáteis e das meninas trêfegas.

30
Abr18

ATÉ AS RUÍNAS PODEMOS AMAR NESTE LUGAR

Talis Andrade

de Matilde Campilho 

 

matilde .jpg

 

 

Lembro-me muito bem do tal cantor basco
que costumava celebrar a chuva no verão
Não ligava quase nada para as conspirações
que recorrentemente se faziam ouvir
debaixo das arcadas noturnas da cidade
naquela época do intermezzo lunar
Foi já depois do fascismo, um pouco antes
da democracia enfaixada em magnólias
O cantor, as arcadas, o perfume e os disparos
me ensinaram que se deve aproveitar a época
de transição para destrinçar o brilho
As revoluções sempre foram o lugar certo
para a descoberta do sossego:
talvez porque nenhuma casa é segura
talvez porque nenhum corpo é seguro
ou talvez porque depois de encarar uma arma
finalmente possa ser possível entender
as múltiplas possibilidades de uma arma.

30
Abr18

Vimala Devi

Talis Andrade

 

 

Vimala_Devi_Portrait.jpg

 

Na madrugada de lágrimas e de esperança
Teu pranto é o meu
De ti vem um apelo
Dolorido e ancestral
No meu pensamento serás sempre
O eterno sonho luso
Comunhão de mosteiros e pagodes
------------------------------------
On this morning of tears and of hope
Your lament is mine
From you comes a call
Pained and ancestral
In my thoughts you will always be
The eternal Portuguese dream
Communion of monasteries and pagodas
Vimala Devi Teresa da Piedade de Baptista Almeida
30
Abr18

Versos de Maria João Rodrigues

Talis Andrade

maria-joao-rodrigues.jpg

 

 

Vivo no silêncio ensurdecedor
Daqueles que gritam aflitos
Sons abafados de dor
Na tentativa de serem ouvidos.

***

Na incerteza do existir, sinto.
Ainda que sob a forma de uma
Miragem que me atormenta,
Sinto,
A absoluta incerteza do sentido.

***

Enjoada de observar toda a
Hipocrisia que emerge do teu
Infinito ego, tento tirar-te a
Máscara e descobrir quem és afinal.
No extremo da minha ilusão,
Sinto a falsidade tocar-me
Suavemente a pele adormecida
E envolver-me nos seus delicados braços.

***

Que deveríamos nós sentir
Quando tudo cai como
Penas de pássaros, como
Pétalas de flores que há
Muito deixaram de viver?

 

 

 

---

Seleta de Cristina Moreno de Castro

 

Pág. 1/18

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D