Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

03
Dez17

Metade da juventude brasileira sexualmente doente

Talis Andrade

Quem pede intervenção militar, safadamente, pretende ser candidato em uma eleição democrática com voto direto.

 

Safadamente diz que o Brasil deve ser governado por um não político, um ex-gerente de banco estrangeiro, um dupla nacionalidade (Henrique Meireles), um empregado de uma multinacional, um empregado de uma empresa sonegadora, traficante de moedas (Huck). Alguém financiado por banqueiros que compraram a preço de banana os bancos estaduais (Marina Silva).

 

Os ovos da serpente da ditadura militar de 64 - as televisões Globo dos Marinho, dos evangélicos (bispos tio Edir Macedo, sobrinho Crivella), de Sílvio Santos, a Polícia Federal de Tuma, a justiça de Francisco Campos, a Economia de Roberto Campos, de Delfim Neto, os torturadores Ustra, Curió, delegado Fleury, os infiltrados Cabo Anselmo, Aloysio Nunes, Marcola e outros "comunistas", os donos do Congresso submisso, os Sarney, os ACM, os filhos e netos de governadores indicados pelos ditadores, a CIA e o FBI promoveram o golpe de 2016 de todo o poder ao PMDB, ao PSDB. Esse poder maléfico venceu as eleições para prefeito em 2016, e deverá permanecer no poder com seus candidatos a governador e presidente no próximo ano, em 2018.

 

Vem o general Mourão (ou Bolsonaro) com sua mensagem idêntica a de Temer, de Fernando Henrique de vender a Amazônia, o verde da Bandeira do Brasil, de vender os aquíferos, as hidroelétricas dos rios, o azul da Bandeira do Brasil. De entregar nossos minérios, notadamente o nióbio, de continuar o tráfico de diamantes, de madeira nobre, de plantas medicinais que representam o amarelo ouro da Bandeira do Brasil.

 

 

Quem vende o Brasil, vende as próprias filhas, hoje representadas pelas 500 mil prostitutas infantis. Meio milhão de meninas em um país que tem a metade, a metade de sua população de 16 a 25 anos sexualmente doente, isto é, com doença venérea, com doença sexualmente transmitida nos programas, na recomendada promiscuidade sexual de não faça guerra, não faça protesto, não ocupe escola, faça amor.

 

BRA^PE_JDC-2. sexo hpv.jpg

 

 

02
Dez17

Coronéis desviaram mais de 200 milhões de reais da Polícia Militar de São Paulo

Talis Andrade

 

coronel adriano.jpg

O coronel José Afonso Adriano Filho, preso por envolvimento em desvio de mais de 200 milhões de reais

 

A Polícia Civil de São Paulo pediu que a Justiça decrete a quebra dos sigilos bancário e fiscal de 52 empresas e 153 pessoas por suspeito de envolvimento com esquema que desviou mais de 200 milhões de reais da Polícia Militar de São Paulo entre 2005 e 2012. O esquema foi apelidado de Lava Jato da PM, como revelou o EL PAÍS. O objetivo dos policiais é rastrear o caminho do dinheiro do esquema de desvio de recursos da Polícia Militar de São Paulo. Os pedidos foram feitos na última quinta-feira à 10ª Vara Criminal do Fórum da Barra Funda. O promotor Nelson Sampaio de Andrade solicitou à Polícia Militar que sejam enviados documentos com o histórico profissional de 18 coronéis citados em uma carta do coronel Adriano. Nessa carta, Adriano levantava suspeitas de que esses 18 coronéis foram beneficiados com recursos desviados da PM. Entre os coronéis mencionados estavam o deputado estadual Coronel Camilo (PSD), o juiz Orlando Beraldi, do Tribunal de Justiça Militar de São Paulo, e o coronel João Cláudio Valério, ex-chefe de gabinete do secretário Saulo de Castro Abreu Filho. Leia mais sobre o PCC da PM

01
Dez17

V - As malas e os malas da política brasileira

Talis Andrade

csm_malas_dinheiro_bunker_geddel_salvador.jpg

 

 

Foi noticiado pela chamada grande imprensa que as malas da propina, guardadas no bunker do ministro Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) e encontradas pela Polícia Federal, pegaram sumiço por artes de malabaristas.

 

A Polícia Federal um departamento como outro qualquer do Ministério da Justiça. O diretor nomeado pelo ministro da Justiça nomeado por Temer. 

 

As malas estavam recheadas de grana das propinas. De cédulas de reais, de euro, de dólar.

 

Que malas desapareceram? Nem precisa perguntar: As de euro, as de dólar.

 

Talvez para entrega ao verdadeiro dono. Talvez. Que essa mágica é comum na Polícia Federal.

 

Na ditadura militar de 64, presos políticos desapareceram para todo sempre. Do mesmo jeito que os pacotes de pasta de coca são incinerados... Do mesmo jeito que virou fumaça a meia tonelada de droga do helicoca de Perrella, um da não santíssima trindade de senadores de Minas Gerais.

 

Se o dinheiro era de Temer, justo que um funcionário mais fiel entregasse a César o que é de César.

 

Um escrivão consignou a falta de duas malas. Eis o  documento.

certidao_policia_federal_malas_geddel_reproducao.j

 

Hoje a Polícia Federal conta a seguinte esfarrapada e pobre estória para desmentir o escrivão. Que cometeu um equívoco ao deixar de verificar duas malas pequenas que estavam dentro de outras duas malas maiores.

 

 

Publica o Jornal do País: 

 

Portanto, o erro foi corrigido e publicado no site da justiça. Porém, o interessante, é que a forma como o escrivão descreveu o recebimento, fica um tanto difícil considerar a correção.

 

“Certifico que, quando do recebimento do material encaminhado pela SR/PF/BA, referente a Operação Tesouro Perdido, através dos memorandos nº 3530/2017, 3531/2017 e 3532/2017, foi constatado a presença de somente 7 malas, sendo 6 grandes e 1 pequena, quando no auto de apreensão relaciona 9 malas, sendo 6 grandes e 3 pequenas”.

 

Também desapareceu a mala com R$ 500 mil de dinheiro da JBS recebida pelo deputado afastado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR).

O parlamentar foi filmado pela Polícia Federal em uma ação controlada (planejada para flagrar delitos) carregando a bolsa ao sair de uma pizzaria em São Paulo às pressas.

 

  

Pág. 5/5

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub