Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

13
Out17

SADISMO Cancellier encarcerado nu

Talis Andrade

BrasilErikadelegada.jpeg

Padres denunciam: PF negou direito de apoio espiritual ao reitor suicidado

 

Ao celebrar missa em homenagem ao reitor Luiz Carlos Cancellier, no Templo Ecumênico da UFSC, o padre William Barbosa Vianna fez uma denúncia espantosa: ele e outro religioso foram impedidos ao menos quatro vezes pela Polícia Federal de oferecer apoio ao reitor, que foi preso, algemado nu, submetido a exame interno vexatório e encarcerado sem processo judicial. Segundo o padre, a Polícia Federal também proibiu a Pastoral Carcerária de visitá-lo no dia da prisão, em 14 de setembro.

 

Em seguida, quando a prisão de Cao Cancellier foi relaxada, a juíza o manteve exilado da universidade e recolhido em reclusão domiciliar noturna, os padres novamente tentaram socorrê-lo, sabendo de seu abalo emocional, mas não obtiveram permissão para visitá-lo.

 

“É preciso lembrar que o direito à assistência religiosa é garantido pelo artigo V da Constituição”, afirmou William, assessor da Pastoral Universitária da UFSC, fazendo uma revelação que assombrou a própria família do reitor, levado ao suicídio por um espantoso processo de linchamento moral. Até então, sabia-se apenas que Cancellier estava privado do apoio de amigos, principalmente de pessoas de sua convivência na gestão da universidade. Leia mais 

 

Os torturadores da ditadura militar continuam em ação

paz justiça duas caras Mehdi Amini.jpg

Ilustração de Mehdi Amini 

 

 
O jornalista Kennedy Alencar publicou artigo criticando a postura de seis entidades de classe que representam setores que atuam na operação Ouvidos Moucos. Em nota, essas instituições disseram que a morte do reitor da UFSC, Luiz Carlos Concellier, foi uma "tragédia pessoal" que não deveria ser explorada por grupos que consideram o suicídio decorrência do abuso de autoridade.


"A reação de Cancellier foi a de alguém que se sentiu injustamente acusado e envergonhado pelo episódio ao qual foi submetido", disse Kennedy. "Melhor que as seis entidades tivessem ficado caladas. Elas deveriam usar esse caso para fazer uma autocrítica a respeito de eventuais abusos e linchamentos públicos. Realizam operações e dão entrevistas no dia seguinte fazendo um julgamento sumário dos acusados. Será que não valeria uma reflexão para saber se algum erro foi cometido?", disparou.
 
As entidades que assinam a nota formam a nata da alta burocracia do país e de Santa Catarina. São elas: a Ajufe (Associação dos Juízes Federais do Brasil), a ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República), a ADPF (Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal), a Ajufesc (Associação dos Juízes Federais de Santa Catarina), a Unacon (Sindicato Nacional dos Auditores e Técnicos Federais de Finanças e Controle) e o Fonacate (Fórum Nacional das Carreiras Típicas de Estado).

Se essas entidades realmente lamentam a morte do reitor, como escreveram, deveriam buscar descobrir quais foram os seus erros e não agir de forma arrogante, dizendo que há tentativa de manipulação da opinião pública.

Quando cometem abusos, dizem que os críticos defendem a corrupção. Quando defendem privilégios, como salários acima do teto constitucional, fazem campanha na TV dizendo-se perseguidas injustamente.

Esses funcionários públicos têm poder demais para usá-lo sem questionamentos da sociedade. Não gostam de controle externo, algo necessário numa democracia. A imprensa, que tem o dever de ser crítica do poder, de fiscalizar os políticos, deve ter a mesma atitude em relação a policiais, promotores e juízes. O jornalismo não pode ser correia de transmissão da polícia nem do Ministério Público e tampouco do Judiciário.

A morte de Cancellier é um símbolo do abuso e da arrogância desses supostos cavaleiros do combate à corrupção.
 

velha justiça.jpg

 

 

 
 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D