Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

24
Nov17

Os 18 do forte retrocesso contra os direitos das mulheres

Talis Andrade

 


Como o Congresso brasileiro se tornou o melhor lugar para homens que odeiam as mulheres, especialmente as negras

 

OS 18 VENDILHÕES

 

os 18 do forte .jpg

Os 18 e seu grupo ficaram eufóricos em 8 de novembro porque eles não tinham feito uma sacanagem só: tinham feito duas.

Estes são os 18 que, com seu voto, permitiram a comemoração: Gilberto Nascimento (PSC), Leonardo Quintão (PMDB), Givaldo Carimbão (PHS), Mauro Pereira (PMDB), Alan Rick (DEM), Sóstenes Cavalcante (DEM), Jorge Tadeu Mudalen (DEM), Marcos Soares (DEM), Pastor Eurico (PHS), Antônio Jácome (PODE), João Campos (PRB), Paulo Freire (PR), Jefferson Campos (PSD), Joaquim Passarinho (PSD), Eros Biondini (PROS), Flavinho (PSB), Evandro Gussi (PV) e Diego Garcia (PHS).

 

Para saber as safadezas que os três poderes promovem contra o Brasil e o povo em geral, temos que ler a imprensa estrangeira. Prisões de ex-governadores são despitamentos, o me engana que eu gosto, que logo todos estarão soltos no gozo de uma vida de luxo e luxúria. De um texto de Eliane Brum, transcrevo as frases destacadas pelo jornal espanhol El País:

 

As mulheres não terão mais o direito de abortar em caso de estupro, risco de morte e feto anencéfalo.

Numa canetada só, os 18 adiaram a ampliação da licença-maternidade em casos de prematuros e ameaçaram conquistas da sociedade do tempo das avós.

Os odiadores de mulheres usam a religião para se legitimar enquanto traem os valores de fato cristãos.

Para achar possível obrigar alguém a ter um filho do estuprador é necessário gozar com o sofrimento das mulheres.

Como, “em nome da vida”, os 18 podem tirar o direito de uma mulher escolher não morrer?

Como uma pessoa humana pode condenar uma mulher a viver uma gestação em que ao final terá um caixão e não um berço?

A armadilha é óbvia: a luta das mulheres deixou de ser pela ampliação de direitos e passou a ser para não perder direitos.

Hipocrisia à brasileira: há um país que pode fazer aborto e outro, muito maior, que morre ao tentar fazê-lo.

No Brasil, os direitos só serão ampliados quando existirem mais mulheres negras ocupando espaços de poder.

A escravidão negra, por nunca ter de fato terminado, segue se reproduzindo em formas cada vez mais criativas no Brasil.

Transcrevi trechos. Leia mais e divulgue

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D