Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

24
Set17

O "problema" do general Mourão de não ter bandeira para um golpe

Talis Andrade

the_dictators_crown__mohammad_sabaaneh.jpeg

O ditador, por Moham Mad Sabaaneh 

 

 

 

Quando se tem um almirante preso por corrupção, os que pedem intervenção militar precisam buscar outra bandeira. O general Antônio Hamilton Mourão afirmou em uma palestra de uma loja maçônica de Brasília que, se o Judiciário não resolvesse o “problema político do país”, caberia aos militares resolverem.

 

Que problema?  Nada mais vago. O general não fala dos trabalhadores, dos sem terra, dos sem teto, dos sem nada. Não toca no salário mínimo, no desemprego, cuja estabilidade foi cassada pelo marechal Castelo Branco. Foi o primeiro ato da ditadura de 1964.

 

O general não defende uma bandeira nacionalista. Fernando Henrique vendeu 75 por cento das estatais, e o general Mourão ficou calado. Temer está leiloando o resto, sendo a Eletrobrás, uma empresa estratégica. Temer vai mais longe.  Promete entregar a Amazônia, com suas riquezas, notadamente as maiores reservas de minérios e  os dois maiores aquíferos do mundo, o Amazonas e o Guarani, e Mourão não reclama.

 

O combate a corrupção a velha e maltrapilha bandeira dos golpes militares. O vice-almirante Othon Silva, ex-presidente da Eletronuclear, foi condenado a 43 anos de prisão pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e organização criminosa durante as obras da usina nuclear de Angra 3.  É a maior pena da Lava Jato.

 

Os corruptos da ditadura militar apóiam e estão no poder com Michel Temer. Paulo Maluf, José Maria Marín, Delfim Neto e boys, em São Paulo. As famílias ACM na Bahia,  Sarney no Maranhão, Alves no Rio Grande do Norte, Coelho em Pernambuco, Marchezan no Rio Grande do Sul, Magalhães Pinto em Minas Gerais, Crivella/Macedo no Rio de Janeiro (o governo militar facilitou o nascer e crescimento da Igreja Universal para combater com o Velho Testamento a Teologia da Libertação). 

 

Muitas das grandes empreiteiras se beneficiaram de relações especiais com o Estado desde seu surgimento entre as décadas de 30 e 50, mas o pagamento de propinas se consolidou durante a ditadura, afirma o historiador Pedro Henrique Campos, em entrevista à BBC Brasil. Delfim comia a mais alta propina jamais cobrada de 30 por cento. Outro corrupto era Roberto Campos. Os magnatas da imprensa consolidaram os impérios familiares: Marinho, Frias, Mesquita e Sílvio Santos com seu Baú da Felicidade.  

 

General de pijama Mourão não tem bandeira, não tem tropa, não tem povo, e os heróis e mártires de 1964 estão enterrados nos cemitérios clandestinos. 

 

Para acabar com a corrupção, o marechal Deodoro proclamou a República em 1889. Em 3 de novembro de 1891 fechou o Congresso pela segunda vez e decretou uma ditadura militar. O Golpe de 3 de Novembro foi o primeiro, entre muitos, da história republicana. Diante da Revolta da Armada, arquitetada pelo vice Floriano Peixoto, que ameaçou bombardear o Rio de Janeiro, o traído Deodoro renunciou em 23 de novembro daquele ano.

 

Floriano Peixoto tem a alcunha de Marechal de Ferro, porque derrotou duas Revoltas da Armada e a Revolução Federalista no Rio Grande do Sul. In Wikipedia: 

 

Consta que Floriano Peixoto lançou uma ditadura de salvação nacional. Seu governo era de orientação nacionalista e centralizadora. Demitiu todos os governadores que apoiaram Deodoro da Fonseca. Na chamada Segunda Revolta da Armada agiu de forma contundente, vencendo-a de maneira implacável, ao contrário de Deodoro.

 

Em abril de 1892 decretou estado de sítio, após manifestações e divulgação de manifestos na Capital Federal. Prendeu golpistas e desterrou outros para a Amazônia. Quando Rui Barbosa ingressou com habeas corpus no Supremo Tribunal Federal em favor dos detidos, Floriano Peixoto ameaçou os ministros da Suprema Corte: "Se os juízes concederem habeas corpus aos políticos, eu não sei quem amanhã lhes dará o habeas corpus de que, por sua vez, necessitarão". O STF negou o habeas corpus por dez votos a um.

 

Na República, o Brasil teve duas Guerras realizadas pelo povo: a de Canudos 1896/97 na Bahia, e do Contestado, em 1912/16, no Paraná e Santa Catarina.

 

A Coluna Prestes foi um movimento político-militar brasileiro existente entre 1925 e 1927 e ligado ao tenentismo de insatisfação com a República Velha, exigência do voto secreto, defesa do ensino público e a obrigatoriedade do ensino primário para toda a população.

 

Para acabar com a corrupção, Getúlio fez a Revolução de Trinta.


Para acabar com a corrupção, os generais derrubaram Getúlio em 1945.


Para acabar com o Mar de Lama do Cadete, os brigadeiros tramaram a República do Galeão que levou Getúlio ao suicídio em 1954.


Para acabar com a corrução de Juscelino, Jânio fez a campanha da vassoura e foi eleito presidente.


Para acabar com a corrupção de Jango, os militares instalaram a ditadura de 1964.


Para acabar com a corrução, as prisões políticas, a tortura, o povo foi pra rua e pediu "Diretas Já" em 1983/84.


Para acabar com a corrupção de Sarney, Collor fez a campanha contra os marajás e foi eleito presidente.


Para acabar com a corrupção, Eduardo Cunha deu o golpe em Dilma para eleger, indiretamente, Temer presidente.


Para acabar com a corrupção de Temer, o general Mourão ameaça com uma ditadura, ora chamada de intervenção.


Vai ser sempre assim, tudo como dantes no quartel de Abrantes.


Que nenhum lá de cima abre mão dos poderes e regalos.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D