Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

15
Set17

Mara Elisa nova chefe de gabinete de Raquel Dodge e a espantosa futilidade machista do jornalismo

Talis Andrade

 

 

FOTO MARIA ELISA.jpg

 

 

por Noelia Brito

 

 

A procuradora da República Mara Elisa Oliveira, lotada no Polo Petrolina/Juazeiro, da Procuradoria da República em Pernambuco, foi indicada para exercer a chefia de gabinete da futura Procuradora-Geral da República, Raquel Dodge.

 

A procuradora Mara Elisa foi responsável pela abertura de Inquérito para investigar o suposto desvio de verba parlamentar pelo deputado federal Adalberto Cavalcanti (PTB) com despesas com locação de veículos e combustível, efetuadas no exercício de 2015. Como os fatos também poderiam indicar cometimento de crime e diante do fato de Adalberto Cavalcanti ter foro privilegiado, a procuradora encaminhou cópia do processo ao Procurador da República Rodrigo Janot, a quem caberia a investigação do caso, na esfera criminal.

 

O mesmo ocorreu com relação ao senador Fernando Bezerra Coelho (então no PSB, agora no PMDB) e o deputado estadual Odacy Amorim (PT), contra quem a procuradora manteve a investigação de desvios ocorridos quando ambos foram prefeitos de Petrolina, relativos à execução de um convênio firmado com o Ministério da Saúde, com vistas à aquisição de equipamentos e materiais permanentes para o Hospital de Urgências e Traumas de Petrolina, os prejuízos causados por um e pelo outro, segundo a procuradora, seriam milionários, devendo prosseguir as investigações para que viessem a ressarcir o Erário por tais danos. Ali a procuradora também verificou indícios do cometimento de crimes e fez a remessa de cópias do inquérito para que o Procurador Geral da República, por competência, instaurasse ou não investigação contra o senador, pelo foro privilegiado.

 

Coube também à procuradora Mara Elisa o ajuizamento de ação contra o candidato a prefeito de Santa Maria da Boa Vista, pelo PSDB, George Duarte, então vereador e funcionário do Banco do Brasil, por atuar como representante legam de uma empresa mercantil para receber recursos públicos paraa construção de casas no assentamento “Asa Branca” no município de Santa Maria da Boa Vista, com recursos oriundos do crédito PNRA- INCRA.

 

A procuradora ainda expediu recomendações para melhoria do transporte escolar nos municípios de Santa Maria da Boa Vista e e Petrolina. Para Santa Maria da Boa Vista ainda foram recomendadas a regularização das cozinhas, a lotação de nutricionistas nas escolas e a oferta de, pelo menos, três porções de frutas e hortaliças por semana na merenda – de acordo com o que estabelece o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) – e a Resolução 26/ 2013 do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), já que naquele município, os alimentos não eram oferecidos ou não davam para atender todos os alunos.

 

A procuradora ainda mandou instaurar inquéritos para investigar atraso no pagamento da remuneração dos servidores em municípios baianos; a atividade de mineração ilegal por empresas na região do Rio São Francisco; irregularidades possivelmente cometidas na gestão de recursos federais pela Associação Programa Um Milhão de Cisternas para o Semi Árido – AP1MC; a exploração irregular de atividade ligada a piscicultura em tanques no Rio Sao Francisco; construções e aterramentos em área de preservação permanente do Rio São Francisco, para formação de ilha pluvial privada, apenas para citar algumas.


Mara Elisa Oliveira é procuradora da República desde 2013, quando assumiu suas funções na cidade de Marabá, no Pará, atuando em matéria penal, na defesa de comunidades indígenas e quilombolas e no projeto Justiça de Transição. Também foi analista do Ministério Público da União (MPU), professora universitária e advogada trabalhista. Em 2014, foi designada pelo Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, para integrar grupo especial formado por Procuradores da República para investigar os crimes cometidos durante a Guerrilha do Araguaia, no caso "Gomes Lund X Brasil", atendendo sentença expedida pela Corte Interamericana de Direitos Humanos.

 

Apesar de ser uma representante exemplar do Ministério Público Federal, que atua sem selecionar a coloração partidária do alvo a ser investigado, o que uma simples consulta no site da própria instituição permite constatar, a imprensa pernambucana preferiu destacar os dotes físicos - inegáveis - da procuradora, para reverenciar sua escolha para o posto de Chefe de Gabinete de Raquel Dodge.

 

É de causar espécie que a ascensão de mulheres a cargos relevantes na República seja quase sempre acompanhada de comentários acerca de seus atributos ou dotes físicos.

 

Por mais competente que seja a mulher, primeiro vêm os comentários sobre sua estética, ou é uma bruxa ou um avião. Sobre sua vida sexual, ou é uma mal amada ou uma devassa, como se tais características ou preferências fossem da conta de quem, no geral, não olham para o próprio espelho ou para os próprios "rabos", que deixam rastros muitas vezes nada abonadores, mas sobre o que realmente importa que são o seu caráter e a competência, não raro, superiores aos dos colegas homens, nada a declarar.

 

 

 

 

 

 

 

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D