Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

10
Set17

Janot pediu a prisão e foi para um boteco para um encontro secreto com o advogado de Joesley

Talis Andrade

Janot e Bottini encontro secreto em boteco .jpg

Rodrigo Janot e o advogado Pierpaolo Bottini, que defende Joesley Batista, tiveram um encontro fora da agenda num boteco de Brasília, neste sábado.

 

O Antagonista obteve com exclusividade o registro fotográfico feito por um frequentador do local.

 

Para não chamar atenção, escolheram uma mesa de canto, ao lado de uma pilha de caixas de cerveja. Janot não tirou os óculos escuros.

 

Janot mentiu

mario-1.jpg

 

 

A assessoria de imprensa de Rodrigo Janot enviou uma explicação do PGR sobre o furtivo encontro:

 

“Acerca da nota publicada pelo site O Antagonista, a Procuradoria-Geral da República esclarece que o procurador-geral da República frequenta o local rotineiramente. Não foi tratado qualquer assunto de natureza profissional, apenas amenidades que a boa educação e cordialidade prezam entre duas pessoas que se conhecem por atuarem na área jurídica.”

 

Bottini mentiu

clayton.jpg

 

 

Bottini confirmou o encontro fora da agenda, mas disse que foi “casual”. Veja abaixo a explicação do advogado:

 

“Na minha última ida a Brasília, este fim de semana, cruzei casualmente com o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, num local público e frequentado da capital. Por uma questão de gentileza, nos cumprimentamos e trocamos algumas palavras, de forma cordial. Não tratamos de qualquer questão outra ou afeita a temas jurídicos. Foi uma demonstração de que as diferenças no campo judicial não devem extrapolar para a ausência de cordialidade no plano das relações pessoais.”

 

A testemunha que fotografou confirma que Bottini e Janot conversaram por mais de vinte minutos. Portanto, não ficaram na troca de "algumas palavras". A nota dos dois parece combinada baseada na palavra "cordialidade" e na ocultação do local, um boteco, sendo Janot, por residir em Brasília, um confesso e solitário frequentador habitual, e Bottini, de passagem na cidade, não poderia abandonar o costume de frequentar lugares populares para uma fria ou quente . Que bebida existe, demasiada, no hotel que estava hospedado.

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D