Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

O CORRESPONDENTE

13
Ago17

A única mensagem em memória de Thalia Mendes Meireles que ainda persiste

Talis Andrade

As investigações do enforcamento da estudante Thalia Mendes Meireles, 15 anos, estudante, poetisa, que escrevia um diário e um romance, cujos manuscritos foram confiscados pelo pai José Meireles da Silva, continuam engavetadas, e nada se sabe do laudo cadavérico.

 

Depois de dois anos violentada por José Meireles da Silva, Thalia Meireles se enforcou em sua residência, na cidade de Monção, na noite da Quinta-Feira Santa, dia 13 de abril último, onde residia com a mãe Francimara Rocha Mendes.

 

Francimara quando tomou conhecimento dos abusos sexuais de José Meireles, fugiu da cidade de Igarapé do Meio e foi residir em Monção. Thalia tinha apenas doze anos quando foi estuprada pelo incestuoso pai.

 

O inquérito está inconcluso, porque José Meireles obstrui as investigações, ameaçando testemunhas. 

 

O medo provoca a autocensura. Todos os amigos e amigas de infância e colegas da Escola Horas Alegres, onde Thalia estudava na cidade de Santa Inês, retiraram dos sites de relacionamento os retratos de Thalia e as mensagens de luto.

 

O medo impera. Até a mãe de Thalia teme morrer.

 

O clima de terror que reina no Maranhão é tão contaminador que apenas a jovem Rafaele Oliveira ...

rafaele oliceira 2 .jpg

rafaele oliveira 1.jpg

 

 

 

 ... escreveu e mantém na sua página no Facebbok a seguinte mensagem nesta foto de Thalia Mendes Meireles:

 

Foto de Thalia com Rafaele Oliveira.jpg

 

 

"Quando me falaram que você partiu logo não acreditei. Vi noticiários na TV, mesmo assim eu insistia em não acreditar que você se foi.

 

Você vai fazer falta minha Princesa. O que nos resta é só saudade. 

 

Luto"

 

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D