Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

O CORRESPONDENTE

13
Ago17

de Ana Moravi

Talis Andrade

moravi.jpg

 

 

 

 

na crueza que fuzila por causa de versos
o ditador desletrado em euforia celebra
não há execução que não seja uma festa
o poeta padeceu a ser confete de tragédias

 

rima o sangue em letras garrafais
musicado pelo coração que cala
uma sirene toca o hino de louvor
só os mortos não aplaudem o orador

 

mafiosos em acentos privilegiados
secam fontes irrigando seus trocados
gritam alto e mais a cada leilão
como bons comerciantes de balcão

 

leva o gringo que der mais
foto na capa e destaque nos jornais
felizes em pautar bombas, crises e crimes
sob o aplauso dos que se eximem

 

a américa cafetina geopolítica
demitiu a nanny russa islamita
por no passeio pelas ruas de moscou
decepar a cabeça da chiquita

 

surfista armilar cropando a lama
do tsunami no mar que é morro
brilhantes partículas minerais
cobriram os peixes num jorro


(sobre 5 ou 6 fatos extra-ordinários)

 

 

12
Ago17

Tempo futuro

Talis Andrade

 

 

 

nau dos insensatos.jpg

 

 

 

Fugindo do passado       

tempo sumido       

perdido tempo       

somos eternos viajantes       

eternos errantes à procura       

de um porto seguro       

no futuro 


 

 

---

Mais poesia de Talis Andrade aqui

12
Ago17

Poemas aos Homens do nosso tempo

Talis Andrade

Hilda Hilst incompreendida.jpg

de Hilda Hilst


Amada vida, minha morte demora.
Dizer que coisa ao homem,
Propor que viagem? Reis, ministros
E todos vós, políticos,
Que palavra além de ouro e treva
Fica em vossos ouvidos?
Além de vossa RAPACIDADE
O que sabeis
Da alma dos homens?
Ouro, conquista, lucro, logro
E os nossos ossos
E o sangue das gentes
E a vida dos homens
Entre os vossos dentes.



Ao teu encontro, Homem do meu tempo,
E à espera de que tu prevaleças
À rosácea de fogo, ao ódio, às guerras,
Te cantarei infinitamente à espera de que um dia te conheças
E convides o poeta e a todos esses amantes da palavra, e os outros,
Alquimistas, a se sentarem contigo à tua mesa.
As coisas serão simples e redondas, justas. Te cantarei
Minha própria rudeza e o difícil de antes,
Aparências, o amor dilacerado dos homens
Meu próprio amor que é o teu
O mistério dos rios, da terra, da semente.
Te cantarei Aquele que me fez poeta e que me prometeu

Compaixão e ternura e paz na Terra
Se ainda encontrasse em ti, o que te deu.

11
Ago17

de Sylvia Beirute

Talis Andrade

beirute.jpg

 

 

 

CONOSCENZA


{o teu reconhecimento é a tua dependência},
não o deixes passar da fase da costura.
surge. insurge. inespera.
adquire expressões através do
eco difuso dos vegetais, coloca-te
nas ranhuras da madeira.
há uma vida imprópria algures.
pode não ser como aquela que espera
na plumagem de uma memória
por antecipação, mas protege o silêncio
e não deixa coagular o sangue.
{o teu reconhecimento é a tua dependência},
e quanto mais o memorizares
mais afastado estarás
dos lados obtusos de quem te deseja habitar
e da semântica temporal
das pessoas que te pedirão um
poema bonito,
e nada pior do que escrever
um poema bonito.


11
Ago17

Ser Poeta Florbela Espanca

Talis Andrade

Florbela Espanca.jpg



Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Áquem e de Além Dor!

 

É ter de mil desejos o esplendor
E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor!

 

É ter fome, é ter sede de Infinito!
Por elmo, as manhãs de oiro e de cetim...
É condensar o mundo num só grito!

 

E é amar-te, assim, perdidamente...
É seres alma, e sangue, e vida em mim
E dizê-lo cantando a toda a gente!

 

 

11
Ago17

de Carina Castro

Talis Andrade

carina.jpg

 

 

SPIRITUAL

 

te aceno do outro lado da margem
mas não sei como transpor esse
rio
de palavras
ditas não ditas
vez ou outra versadas

 

engulo o choro

 

pra molhar a garganta
pra desfazer o nó(dulo
molhar por dentro

 

brota em mim uma delicadeza
bruta
e enquanto cresce corpo acima
caminho sobre as águas

 

11
Ago17

moça entendida não paga

Talis Andrade

floresta.jpg

por Cecília Floresta

 

 

encarnados morangos
laranjas suculentas cortadas ao meio
pêssegos elegantes
cupuaçus babaçus
a castanha do caju
o útero ovalado do abacate
a semente espinhosa do pequi
o lado de dentro do tomate italiano
quando retiradas todas as sementes
a pele delicada da tangerina
ou a imponência sisuda do figo
o oco do melão
a vermelhidão interna da romã
apecaminosidade bíblica
da popular maçã
& graviolas

 

e ela ainda me pergunta
em qual das pontas
fica o melhor pastel da feira

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D